Governo do RS registra ocorrência na polícia após ataque hacker contra portais

Os sites ficaram cerca de 16h fora do ar e comprometeram o atendimento ao público de vários serviços na terça-feira passada (8).

Compartilhe:

A SPGG (Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão), por meio do PROCERGS (Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do RS), registrou um boletim de ocorrência sobre o ataque hacker a 18 sites do governo na última terça-feira (8). Os sites ficaram cerca de 16h fora do ar e comprometeram o atendimento ao público de vários serviços, como o do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), a realização de agendamento para confecção de carteiras de identidade pelo IGP (Instituto-Geral de Perícias), entre outros.

O registro foi feito no DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) da Polícia Civil, em Porto Alegre, na manhã desta sexta-feira (11). Durante o inquérito, que fica a cargo da Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Cibernéticos, rastros da organização criminosa que se autodenomina como “máfia” – e que diz ser do Paraná – serão analisados em busca dos autores da invasão. Até o momento, nenhum dos cibercriminosos foi identificado.

“Esse não foi o primeiro ataque, nem será o último. O protocolo de segurança da Procergs foi rápido e conseguiu evitar maiores consequências. Infelizmente, esses ataques são uma realidade na era digital e encaminhamos a ocorrência policial para que os órgãos competentes façam a devida apuração do caso”, diz o secretário Claudio Gastal, da SPGG.

O ataque, registrado por volta de 1h e identificado pelas equipes do PROCERGS à 1h19, o que levou a retirada os portais do ar por precaução antes das 2h. Todas as páginas e sistemas foram retomados com segurança e retornaram ao ar na própria terça-feira, por volta das 19h30.

O número de portais atingidos não havia sido divulgado, até então, pelo PROCERGS. O Centro de Tecnologia da Informação do Estado afirma que o ataque se deu em um ambiente restrito e não gerou nenhuma perda de dados ou vazamento de informações pessoais.

O acesso indevido colocou, ainda, em ação o plano de contingência da empresa de economia mistal. Cabe a ela a execução de serviços de processamento de dados, tratamento de informações, assessoramento técnico, comercialização de bens e produtos de informática e serviços de telecomunicações para o Estado do Rio Grande do Sul.


Compartilhe: