Notícia

Dez são indiciados por morte do prefeito de Lajeado do Bugre

Roberto Maciel Santos, o Betinho, de 45 anos, foi assassinado dentro da prefeitura municipal em novembro.

Compartilhe:
Foto: Divulgação/ Prefeitura de Lajeado do Bugre

Dez pessoas foram indiciadas pelo assassinato do prefeito de Lajeado do Bugre, na região Norte do RS, no dia 24 de novembro de 2022. Roberto Maciel Santos, o Betinho, de 45 anos, foi assassinado dentro da prefeitura municipal por volta do meio-dia. Um servidor público da prefeitura foi baleado no ataque a tiros.

Conforme a Polícia Civil, o crime teve como motivação desavenças políticas do então prefeito com membros de uma organização criminosa. Todos os indiciados pertencem à quadrilha que atua na cidade e que seria responsável por vários tipos de delitos.

Segundo a delegada Aline Palma, da 14ª Delegacia Regional de Polícia Civil, o prefeito vinha sendo ameaçado pela quadrilha há algum tempo. As provas apuradas nos quase dois meses de investigação demonstraram que os indiciados organizaram, planejaram e executaram o crime. Os nomes dos investigados não foi tornados públicos pela Polícia Civil.

Dos 10 indiciados, nove estão presos. Um se encontra foragido e a polícia ainda investiga seu paradeiro. A célula da organização criminosa foi indiciada pelos crimes de homicídio qualificado, que teve como alvo o prefeito; duas tentativas de homicídio, contra o vice-prefeito e um servidor público, além de outros delitos.

A investigação contou com diversas equipes de policiais civis da 14ª Região Policial, equipe do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), além do apoio da Brigada Militar, PRF (Polícia Rodoviária Federal) e das Polícias Civil e Militar do Estado de Santa Catarina, onde um dos criminosos foi preso.

Caberá ao Ministério Público, agora, fazer a denúncia contra os investigados. Caso os promotores considerem que não há provas suficientes, eles podem pedir novas investigações ou prover o arquivamento do processo. Caso sejam denunciados à Justiça, os ora investigados passam a ser réus no processo.


Compartilhe: