SES recomenda a vacinação contra a febre amarela na população gaúcha

Os bugios (e os macacos-prego) são considerados sentinelas da febre amarela e não representam riscos à população.

Compartilhe:

Após a confirmação da presença de vírus causador da febre amarela em áreas silvestres do Rio Grande do Sul, a SES (Secretaria Estadual da Saúde) reforça a importância da vacina contra a doença.

Na última segunda-feira (12), foi confirmada em amostras de um macaco bugio, encontrado morto em um bairro rural do extremo sul de Porto Alegre.

Em razão desta constatação e de outros casos suspeitos e confirmados em diferentes municípios gaúchos, a SES recomenda a vacinação contra a febre amarela na população gaúcha desde os nove meses até 59 anos.

Em fevereiro de 2021, o governo do Rio Grande do Sul divulgou o óbito de bugios na área de floresta da região serrana, divisa com Santa Catarina, e outros casos de primatas contaminados na Serra e no Norte do Estado.

Os bugios (e os macacos-prego) são considerados sentinelas da febre amarela e não representam riscos à população.

Esses animais servem como indicadores da presença do vírus no ambiente silvestre e adoecem depois que são picados pelo mosquito transmissor. Humanos não vacinados são contaminados somente ao serem picados por mosquitos infectados.

Em áreas silvestres, o transmissor é o mosquito Haemagogus e, em áreas urbanas, o vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A febre amarela urbana não é registrada no Brasil desde 1942.

A SES também alerta que, em ambientes silvestres, a população deve sempre usar repelentes, observando as recomendações de cada fabricante em relação ao prazo de ação efetiva de cada produto.

Vacinação

  • A imunização deve ser realizada pelas secretarias municipais de saúde. Pessoas que não têm comprovação vacinal deverão ser considerados não vacinados e devem se dirigir às Unidades Básicas de Saúde.
  • Crianças devem tomar a primeira dose aos nove meses e um reforço aos quatro anos. A partir dos cinco anos, não vacinados recebem dose única.
  • A recomendação de vacinação em dose única, de acordo com o calendário do Programa Nacional de Imunizações, vai dos cinco aos 59 anos.
  • A vacinação de pessoas com mais de 60 anos de idade, gestantes e mulheres que estejam amamentando crianças menores de seis meses deve ocorrer em situações especiais (como emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco, mediante a avaliação de risco/benefício, feita por um médico).
  • Em mulheres que estejam amamentando, pode-se considerar a suspensão do aleitamento materno por 10 dias. Pessoas portadoras de comorbidades devem receber avaliação de risco/benefício prévia à vacinação.

 


Compartilhe: