AO VIVO: julgamento do caso Bernardo chega ao último dia nesta sexta-feira

Após uma jornada de 15 horas entre oitivas e debates, o julgamento do caso Bernardo chega ao último dia. A previsão da juíza Sucilene Werle, presidente dos trabalhos, é de que a sentença seja conhecida ainda na tarde desta sexta-feira.

O tempo de debates no júri foi ampliado, a pedido das defesas dos quatro réus. Cada advogado ficou com uma hora para apresentar suas teses defensivas, cabendo ao Ministério Público, consequentemente, quatro horas para acusação. Pelo rito, os promotores de Justiça iniciaram os debates. A sessão só terminou por volta das 0h20 da madrugada desta sexta-feira.

Ministério Público e Advogados que representam Leandro Boldrini, Graciele Ugulini, Edelvânia Wirganovicz e Evandro Wirganovicz falaram sucessivamente sobre as provas produzidas e apresentaram suas teses defensivas, pedindo desclassificação de crimes imputados e absolvições.

AO VIVO: Julgamento do caso Bernardo chega ao quarto dia; acompanhe

O julgamento do caso Bernardo chegou ao quarto dia nesta quinta-feira (14). Serão ouvidas as rés Graciele Ugulini e Edelvânia Wirganovicz.

Na sequência, será tomado depoimento de Evandro Wirganovicz. Previsão é de que os trabalhos se estendam até meia noite. O resultado do julgamento deve ser proferido na sexta-feira de tarde.

Confira o segundo dia de julgamento do caso Bernardo

Começou o segundo dia de julgamento do caso Bernardo, em Três Passos. Nesta terça-feira (12), serão ouvidas três testemunhas.

A primeira testemunha a prestar depoimento é Juçara Petry, que cuidava do menino durante vários dias. Bernardo passava bastante tempo na residência dela e do marido. Ela solicitou para não falar na presença dos réus. Os quatro acusados foram retirados para o depoimento.

Juçara se emocionou em vários momentos de seu depoimento. No mais tocante, ela relatou que Bernardo errava seus exercícios de matemática para que eles pudessem lhe ensinar novamente e, assim, lhe dar atenção.

A segunda é Ariane Schmitt, psicóloga que tratou de Bernardo. Ela disse que Bernardo se autoadministrava três medicações, sendo que um deles era ritalina. A profissional afirmou que Leandro Boldrini era um pai tangencial, sem empatia pelo filho. A autoridade era exercida com violência, com certo sadismo, segundo ela.

Acompanhe o primeiro dia de julgamento do caso Bernardo em Três Passos

Começou nesta segunda-feira (11), o julgamento do caso Bernardo, como ficou conhecido o assassinato de Bernardo Boldrini.

O crime ocorreu em 4 de abril de 2014, quando o menino desapareceu, em Três Passos, no Noroeste gaúcho. O corpo da criança, na época com 11 anos de idade, foi encontrado 10 dias depois. O cadáver estava uma cova vertical, à beira de um riacho em Frederico Westphalen.

O pai de Bernardo, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, e os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz respondem pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver e falsificação ideológica.

Vinte e cinco pessoas foram convocadas como juradas. Sete ficarão para o Conselho de Sentença, pois o crime foi considerado doloso, ou seja, com a intenção de matar. O juiz lê a sentença deliberada pelo conselho ao cabo do julgamento.

O julgamento será presidido pela Juíza de Direito Sucilene Engler, titular da Vara Judicial da Comarca de Três Passos, a partir das 9h30min, no Salão do Júri. Na acusação, atuará o Promotor de Justiça Bruno Bonamente. Nas defesas, atuarão os Advogados Ezequiel Vetoretti (Leandro), Vanderlei Pompeo de Mattos (Graciele), Jean de Menezes Severo (Edelvânia) e Hélio Francisco Sauer (Evandro).

Como será a oitiva das testemunhas

Dezoito testemunhas prestarão depoimento, sendo cinco arroladas pela acusação; nove pela defesa de Leandro Boldrini e quatro pela defesa de Graciele Ugulini. Depois da oitiva de testemunhas, haverá o interrogatório dos réus.

Em seguida, se iniciam os debates. O tempo destinado à acusação e à defesa será de duas horas e meia para cada, e de duas horas para a réplica e outro tanto para a tréplica.

Siga o julgamento no Twitter

error: