O turista brasileiro está “mais rico” na Argentina?

Viajar para o Exterior
Imagem de Buenos Aires, Argentina. Foto: Sem Roteiro

Nos últimos anos, as oscilações nas taxas de câmbio entre diversas moedas têm representado desafios e, simultaneamente, criado oportunidades para o mercado financeiro. Uma das mudanças mais notáveis ocorre na relação entre o real brasileiro e o peso argentino. Com a contínua desvalorização da moeda argentina em relação ao real, surge a pergunta: os brasileiros estão em melhor condição financeira ao viajar para a Argentina? Um grupo de empresas, especialista em câmbio do mundo analisa essa questão.

O Big Mac como indicador de desvalorização

A revista britânica The Economist criou, em 1986, um parâmetro para entender o poder de compra e flutuações nas taxas de câmbio usando o preço do Big Mac em dólares como referência. Segundo o estudo, uma vez que os ingredientes e o modo de preparo são os mesmos em todo o mundo, o preço do produto pode ser utilizado para medir o valor das moedas estrangeiras e servir como um ponto de partida para uma análise de poder de compra.

Em junho de 2023, na Argentina, o Big Mac custava ARS 1.650, equivalente a US$5,99, enquanto nos EUA, custava US$5,59. A disparidade sugere que o peso argentino está 7,4% acima de seu valor “justo” em relação ao dólar. Já em comparação com o caso brasileiro, o real está 13,7% abaixo da taxa de câmbio esperada, custando US$ 4,81.

Quando o real é mais forte em comparação ao peso argentino, produtos, serviços e ativos na Argentina podem parecer mais acessíveis para os brasileiros. No entanto, embora isso crie uma ilusão de maior poder de compra para os turistas nacionais, é crucial considerar a influência da inflação sobre o valor real.

É o que explica Marcos Weigt, especialista no assunto: “É muito comum que as pessoas vejam o valor nominal de uma determinada moeda em relação a outra moeda e entendam que, ter uma quantidade grande desta moeda, aumenta o poder de compra, mas nem sempre isso acontece. Isso fica evidente com o Peso Argentino, em que um Big Mac custa ARS 1.650”.

Considerações para viajantes

A desvalorização do peso argentino pode influenciar o planejamento de turistas brasileiros que pretendem viajar e fazer compras na Argentina. Itens como roupas, eletrônicos e produtos locais podem parecer mais acessíveis, mas é essencial pesquisar e comparar preços entre os dois países.

É importante observar que as taxas de câmbio são voláteis e sujeitas a mudanças rápidas. O que parece uma oportunidade favorável hoje pode se tornar menos atraente em um curto espaço de tempo. “A aparente vantagem de uma moeda sobre a outra pode ser neutralizada pelos efeitos da inflação, impactando a experiência financeira dos viajantes e investidores. Recomendamos uma análise cuidadosa das condições econômicas e uma abordagem ponderada ao considerar transações em moeda estrangeira, seja para viagens ou investimentos”, finaliza Weigt.

Quer ficar por dentro das notícias de turismo e ainda conferir dicas de viagens e passeios, acompanhe a gente no Instagram e Facebook do Blog Sem Roteiro.


Compartilhe: