Em um dos lugares mais importantes do mundo

Hoje vamos continuar contando um pouco mais sobre Londres, na Inglaterra (clique aqui para ler o primeiro texto), mas o assunto vai ser sobre o Museu Britânico. Foi demais conhecer esse lugar! Ah… e teve uma coisa engraçada que aconteceu com a gente. Veja os nossos depoimentos.

Depoimento de Vitor Pereira:

Lembro-me que nesse dia a gente estava com dúvida para onde ir. Na verdade, eu só pensava em comida (estava morrendo de fome hahaha). Paramos para “almoçar” e durante a refeição conversamos para onde ir.

A Rô começou a analisar o que tinha ao arredor do restaurante para gente conhecer porque o Museu da História Natural estava longe, não ia dar tempo. Pois então… a Rô viu que a gente estava praticamente ao lado do Museu Britânico, fomos pra lá! Nossa! Que prédio sensacional! O museu tem 265 anos e é muito grande. Eu me encantei com o lugar antes de entrar.

Na frente do Museu Britânico. (Foto: Sem Roteiro)

Lá dentro me senti em Uma Noite no Museu, não sabia nem por onde começar a olhar (sim tem muita coisa). Ao caminhar pelo local, a ideia que eu tive é que Hans Sloane só queria colecionar objetos, não tinha ideia que estava criando um dos museus mais importantes do mundo.

Foto por dentro do Museu Britânico. (Foto: Sem Roteiro)

Foi incrível caminhar pelo museu, a gente se divertiu bastante. O problema que faltou tempo e teve uma coisa que chamou muito a nossa atenção: uma sereia. Essa sereia fez com que a gente voltasse ao museu no outro dia (vou deixar para Rô contar porque ela é fã de Harry Potter).

Para conhecer o museu a entrada é gratuita, mas na saída tem uns “potes com dinheiro” para os visitantes deixarem um “presentinho” para o museu. Vale muito fazer o passeio pelo local, a sensação de ver os objetos de pertinho (coisa que eu só vi nos livros) não tem preço. Bah, até agora eu não acredito que vi as múmias ao vivo! O Museu Britânico é sem dúvida um dos lugares mais importantes do mundo, é nele que está toda a nossa História.

Foto: Sem Roteiro
Foto: Sem Roteiro

 

Depoimento de Rô Klafke:

Tá aí um lugar que a gente curtiu muito e não estava no roteiro, ou seja, puramente SEM ROTEIRO (rsrs). Na verdade, quando fomos pesquisar os museus que tem em Londres meio que subestimamos o Museu Britânico. Sempre se falava mais no Museu National Geographic, que no fim das contas é o Museu de História Natural de Londres. Porém ele nos surpreendeu tanto, que acabamos indo dois dias a ele de tão legal que foi (não deu tempo de ver tudo o que a gente queria em uma tarde).

O que tem lá de tão legal? TUDO!!! Tudo o que você viu nos livros desde pré-história, mitologia grega, múmias egípcias até livros e criaturas fantásticas. A gente entendeu que ele é mais ou menos como o Museu do Louvre, em Paris (não entramos nele, disseram que não valia a pena e estávamos pouco tempo na cidade). Mas em Londres ficamos mais tempo e sempre ouvimos falar muito dos museus de lá, então, já era a nossa intenção.

Eu achei incrível ver aquelas múmias (de verdade), sarcófagos, alguns eram um espécie de mármore, outro eram de madeira. Aquelas esculturas dos deuses gregos (achei o máximo e me senti super inteligente quando até consegui identificar alguns só de ver, sem precisar ler o nome, me julguem, rsrs). Outra coisa que achei legal foi ver aquelas armaduras da época do Império Romano, aqueles vasos que a gente via na chamada do desenho do Hércules (lembram? Rsrs) e o mais legal, era tudo de verdade, não era réplica!

Sarcófago de “mármore” (Foto: Sem Roteiro)
Vasos do Império Romano (Foto: Sem Roteiro)

Tinham os objetos do tempo “das cavernas”, feitos de pedra, couro, barbante, tudo lá preservado. Coleções de moedas de troca de todos os tempos, desde a Mesopotâmia. As roupas de antigamente, dos esquimós, dos chineses. Falando em China, aquelas louças lindas e milenares pintadinhas de azul, tudo lá ao alcance dos nossos olhos (porque é claro que não podia tocar né galera, rsrsrs).

Louças Chinesas (Foto: Sem Roteiro)

Agora, a cereja do bolo foi quando no final do primeiro dia de visita, quando já estavam quase fechando, descobrimos em um totem que dava informações sobre alguns artefatos do museu. Quando a gente selecionou a categoria Animais Fantásticos brilhou os olhos, apareceu uma sereia (era feinha gente, meio monstrinho), mas era uma sereia! Lá aparecia a localização. Então tentamos procurar um pouco, mas estava fechando e tivemos que ir embora, e esse foi o principal motivo de continuar a visita no dia seguinte.

Então no dia seguinte fomos direto procurar a tal sereia. Corremos o museu todo, e aí já aproveitamos pra conhecer mais, e nada da sereia. Nossos pés já doíam de tanto caminhar, mas já era questão de honra àquela altura (rsrs). A gente perguntava para os “ajudantes” do museu, alguns nem sabiam do que a gente estava falando até que, achamos (depois de consultar várias vezes o totem, rsrs). Achamos (sqn), tinha uma plaquinha com uma figura impressa da tal sereia que dizia que ela havia sido cedida para a Biblioteca Britânica, na exposição do Harry Potter.

Interior do Museu onde percorremos muito pra encontrar a Sereia. (Foto: Sem Roteiro)

Aí então vocês pensam, “ahh, Harry Potter, certo que vocês foram ver, né?” (SQN, rsrs). Eram 20 euros pra visitar a exposição e a gente não tava afim de dispor disso pra ver a tal sereia. Então ficamos só na gravura mesmo! Mas a caça a sereia foi divertida, a gente teve que se virar, falar com as pessoas (em inglês claro), tentar entender como funcionava a organização de lá, então, mesmo que ficamos chateados por não conseguir ver de fato, foi super válido pra gente essa busca (temos essa mania de ver o lado bom nas coisas que nos atrapalham, rsrs).

Então, o que dizer sobre o Museu Britânico! É muito legal, é muita história! Claro que você também tem que gostar de ver esse tipo de coisa, pois caso você seja do tipo que não curte coisa velha, não perca seu tempo (haha, sinceridade)! Mas como a gente ama, foi demais!!!

Interior do Museu. (Foto: Sem Roteiro)
Related Posts