Três dias de chuva

Chuva torrencial deixa saldo de 76 mortos e 90 desaparecidos no Japão

Três dias de chuvas intensas fizeram que dezenas de cidades do Sul e Oeste do Japão registrassem inundações e deslizamentos de terra. Alertas de desastres foram emitidos nas ilhas de Kyushu e Shikoku. A imprensa local informa que ao menos 76 pessoas morreram, e outras 92 desaparecidas.

A Agência Meteorológica do Japão disse que foram registrados 26,3 centímetros em apenas três horas de chuva numa área na prefeitura de Kochi. É a maior precipitação desde que esses registros começaram a ser realizados, em 1976. A chuva torrencial causou inundações e deslizamentos de terra e levou as autoridades a ordenar a evacuação de dois milhões de pessoas.

O relatório oficial inclui uma pessoa morta na semana passada, quando o sistema de tufões que causou as fortes chuvas atingiu o Japão. No entanto, a maioria das mortes foram registradas nos últimos dias.

A chuva, que tem sido pior nas partes ocidentais do país, cobriu completamente algumas aldeias. Moradores desesperados se viram obrigados a se abrigar em seus telhados com água da enchente crescendo rapidamente enquanto esperavam por resgate, reportam a AP e AFP.

Centenas de pessoas ficaram feridas e dezenas de casas foram completamente destruídas nos aguaceiros. “Estamos realizando operações de resgate o tempo todo”, disse Yoshihide Fujitani, funcionário de gerenciamento de desastres na prefeitura de Hiroshima.

“Também estamos cuidando dos evacuados e restaurando a infra-estrutura vital, como água e gás”, acrescentou. “Estamos fazendo o nosso melhor.” Uma autoridade do governo disse que uma célula de crise especial foi criada para responder ao desastre e que realizará uma reunião presidida pelo primeiro-ministro Shinzo Abe.

Leia mais:  Assaltante morre após policial civil reagir a roubo em Porto Alegre

Ontem, Abe alertou em uma reunião do governo de emergência que “a situação é extremamente séria” e ordenou que seu governo “faça um esforço total” para resgatar os afetados.

Inundação recorde

Equipes de resgate, policiais e militares foram mobilizados para responder ao desastre, e a agência meteorológica emitiu seu mais alto nível de alerta para as áreas afetadas. Inundações inundaram aldeias inteiras, submergindo ruas até o nível do telhado. Em alguns lugares, apenas o topo dos semáforos podia ser visto acima da subida das águas.

“Minha casa foi simplesmente varrida e completamente destruída”, disse Toshihide Takigawa, um funcionário de 35 anos em um posto de gasolina em Hiroshima, ao jornal Nikkei no sábado. “Eu estava em um carro e enormes inundações de água correram para mim da frente e de trás e depois engoliram a estrada. Eu só consegui escapar, mas fiquei apavorado ”, disse Yuzo Hori, de 62 anos, ao jornal Mainichi Shimbun em Hiroshima.

Com as enchentes tornando as estradas intransitáveis, as equipes de resgate estavam usando barcos ou helicópteros para transportar os afetados para a segurança. Vários grandes fabricantes, incluindo as montadoras Daihatsu e Mitsubishi, disseram que suspenderam suas operações nas fábricas das áreas afetadas.

O desastre é a pior crise relacionada à chuva no Japão desde 2014, quando pelo menos 74 pessoas morreram em deslizamentos de terra causados por chuvas torrenciais na região de Hiroshima.