Seja Digital realizou ação para recuperar gás carbônico emitido à atmosfera

Foram plantadas 1.100 mudas frutíferas em comunidades, inclusive uma aldeia Guarani Pindó Mirim, em Itapuã, Viamão. Foto: Maria Fernanda Moog/Divulgação

O sinal analógico de TV foi desligado no dia 14 de março em Porto Alegre e outras 106 cidades da região. A decisão do desligamento foi tomada pelo Gired, grupo liderado pelo presidente da Anatel, Juarez Quadros, e homologada por Gilberto Kassab, Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Mais de 2 milhões de domicílios já podem assistir TV pelo sinal digital, que oferece aos telespectadores muito mais qualidade de som e imagem. A Seja Digital, entidade responsável pela operação do processo de migração do sinal de TV no Brasil, continua à disposição para tirar dúvidas e distribuir kits gratuitos para as famílias de menor renda atendidas pelo Governo Federal.

A equipe da Seja Digital, que atuou na região nos últimos meses para informar e orientar a população sobre a mudança no sinal de TV promoveu, nesta última semana,um mutirão de plantio de 1.100 mudas frutíferas e nativas em cinco comunidades da região metropolitana, nas cidades de Eldorado do Sul, Nova Santa Rita, Porto Alegre e Viamão, sendo três aldeias indígenas, um quilombo e uma comunidade de pequenos agricultores. A finalidade da ação promovida pela Seja Digital é recuperar parte do gás carbônico emitido à atmosfera durante o projeto.

“Realizamos a captura do carbono emitido pela Seja Digital nesses meses de operação, pois acreditamos que esta seja uma forma de encerrarmos o trabalho reforçando nosso compromisso com a sustentabilidade ambiental”, afirma Márcia Cavalcante, gerente regional da Seja Digital em Porto Alegre.

A ação realizada teve como motivação um levantamento realizado pela entidade, que mostrou que, considerando somente o uso de veículos particulares utilizados pelas equipes, foram emitidos 180 toneladas de CO2. Baseada na tecnologia de captura e armazenamento de gás carbônico (CCS – Carbon Capture and Storage), a Seja Digital buscou nessa ação, compensar a quantidade de carbono emitida.

“Toda a ação humana, em maior ou menor escala, gera impactos no ambiente natural. A consciência e cuidado da Seja Digital em relação à sustentabilidade socioambiental e a decisão de promover a iniciativa de captura e armazenamento de carbono mostra o compromisso da entidade com a população e o meio ambiente. Nosso compromisso sempre foi não deixar ninguém para trás. Nem mesmo o cuidado com o planeta!”, disse Gilberto Flech, mobilizador regional da Seja Digital.

Distribuição de kits gratuitos

Desde o começo de suas operações da região de Porto Alegre, a Seja Digital distribuiu cerca de 435 mil kits, com antena digital e conversor, que permitiram que as famílias de menor renda, atendidas pelo Governo Federal nas 107 cidades da região, tivessem acesso gratuito ao sinal digital. Em pontos de retirada disponibilizados pela entidade, as famílias também recebem um treinamento sobre como instalar os equipamentos, que permitem que televisores antigos continuem funcionando após o desligamento do sinal analógico.

Com a continuidade da distribuição, a Seja Digital reafirma seu compromisso em não deixar ninguém para trás. A distribuição de kits gratuitos teve início na região em meados de setembro e será encerrada nas próximas semanas. Para saber se têm direito ao kit gratuito, as famílias de devem acessar sejadigital.com.br/kit ou ligar para 147 com o NIS (Número de identificação social) em mãos. “Esperamos que as famílias de menor renda que ainda não retiraram o kit gratuito façam o agendamento nesses últimos dias”, afirma Márcia Cavalcante, gerente regional da Seja Digital.

Sobre a Seja Digital

A Seja Digital (EAD – Entidade Administradora da Digitalização de Canais TV e RTV) é uma instituição não governamental e sem fins lucrativos, responsável por operacionalizar a migração do sinal analógico para o sinal digital da televisão no Brasil. Criada por determinação da Anatel, tem como missão garantir que a população tenha acesso à TV Digital, oferecendo suporte didático, desenvolvendo campanhas de comunicação e mobilização social e distribuindo kits para TV digital para as famílias cadastradas em programas sociais do Governo Federal. Também tem como objetivos aferir a adoção do sinal de TV digital, remanejar os canais nas frequências e garantir a convivência sem interferência dos sinais da TV e 4G após o desligamento do sinal analógico. Esse processo teve início em abril de 2015 e, de acordo com cronograma definido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, mais de 1300 municípios terão o sinal analógico desligado até 2018.