Protesto que segue

Paralisação dos caminhoneiros chega ao 6º dia; Refap paralisa atividades

Mesmo com o governo usando as Forças Armadas para garantir a distribuição de combustível, ainda há falta generalizada de gasolina, diesel e etanol no Rio Grande do Sul

Foto: Marcelo Pinto / APlateia

A mais longa greve de caminhoneiros da história brasileira chega ao sexto dia sem perspectiva de chegar ao fim. Mesmo com o governo usando as Forças Armadas para garantir a distribuição de combustível, ainda há falta generalizada de gasolina, diesel e etanol no Rio Grande do Sul.

Situação semelhante vivem os aeroportos. Falta querosene de aviação em pelo menos 11 campos de aviação administrados pela Infraero na manhã deste sábado (26). Carajás (PA), São José dos Campos (SP), Uberlândia (MG), Ilhéus (BA), Palmas (TO), Goiânia (GO), Campina Grande (PB), Juazeiro do Norte (CE), Recife (MA), Maceió (AL) e Vitória (ES) já não têm mais combustível para abastecer as aeronaves.

Em Porto Alegre, a Fraport conseguiu negociar com os grevistas o transporte de três caminhões-tanque e garantir a operação até o final da tarde de hoje. No entanto, não há mais garantia que o Aeroporto Salgado Filho se mantenha abastecido. Seis carretas devem sair de Canoas em direção ao aeródromo neste sábado, o que representa apenas 30% do necessário para o dia.

Além da paralisação de caminhoneiros, mais categorias se mobilizam. Cerca de 100 funcionários da Refap (Refinaria Alberto Pasqualini), decidiram parar as atividades. Eles se concentraram em frente ao portão principal da empresa e se reúnem durante a tarde para estudar se o movimento continua. Com isso, não houve troca de turno e, muito menos, refino de petróleo cru que chega a refinaria.

Limpa nos postos

Alguns postos de combustíveis de Porto Alegre que ainda têm combustível nos reservatórios estão registrando filas quilométricas. Há motoristas que esperam de 12 a 16h horas para abastecer.

Em um estabelecimento da avenida do Forte, na zona Norte da Capital, há filas de 4 quilômetros para compra do combustível. Fichas tiveram que ser entregues aos clientes para evitar confusão e fura-filas.