Marchezan apresenta situação das contas públicas a vereadores

Encontro foi realizado nesta quarta-feira, 11, na Câmara Municipal. Foto: Cesar Lopes/ PMPA

O prefeito Nelson Marchezan Júnior reuniu-se nesta quarta-feira (11), na Câmara Municipal, com vereadores para expor a situação das finanças e dialogar sobre as medidas adotadas pelo Executivo para recuperar o equilíbrio das contas públicas.

No encontro, Marchezan falou da situação da prefeitura, e afirmou que entre todas as capitais do país, Porto Alegre é a única com resultado negativo e a única que está no vermelho, segundo informações da Secretaria do Tesouro Nacional. Observou, ainda, que em um período de 15 anos, o município teve superávit em dois períodos, destacando que a série de déficits impacta diretamente no serviço público ao cidadão.

“As grandes mudanças realizadas por todos os partidos só foram possíveis quando as forças políticas e a sociedade se uniram em pontos de convergência. Esse diálogo, essa construção é a que precisamos para que Porto Alegre possa superar a crise e recuperar a qualidade de vida”, disse.

Desde o início da gestão, foram adotadas medidas para reduzir gastos e a máquina pública como a reforma administrativa (redução de 37 para 15 secretarias), corte de despesas com diárias a passagens, corte de CCs e redução dos repasses para a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Carris e Companhia de Processamento de Dados do Município de Porto Alegre (Procempa). O prefeito ressaltou ainda que mesmo sem a concessão de reajustes, o crescimento automático das despesas de pessoal é da ordem de R$ 90 milhões/ano.

Durante a apresentação, o prefeito afirmou que nos últimos anos os grandes investimentos em Porto Alegre tiveram recursos de financiamentos, a fundo perdido ou em parceria com a iniciativa privada. E observou que para viabilizar a retomada das chamadas obras da Copa foi necessário um financiamento junto ao Banrisul, na ordem de R$ 120 milhões.

Marchezan ressaltou também a necessidade de fazer Parcerias Público-Privadas e concessões para o enfrentamento de problemas estruturais e para qualificar a prestação de serviços. De acordo com o prefeito, o governo prepara um conjunto de medidas para que as despesas caibam nas receitas nos próximos anos. O Executivo, assinalou, vai pedir urgência para análise de projetos de ajuste da receita, de despesa de pessoal e os que autorizam a busca de recursos privados para fazer os investimentos necessários, principalmente aos que atendam às pessoas mais pobres.

Participaram do encontro, representando o Executivo, além do prefeito, o vice-prefeito Gustavo Paim e o secretário da Fazenda Leonardo Busatto. Pelos vereadores, além de Nagelstein, que coordenou a reunião, compareceram Alvoni Medina (PRB), Aldacir Oliboni (PT), Airto Ferronato (PSB), Cassiá Carpes (PP), Cássio Trogildo (PTB), Comandante Nádia (PMDB), Felipe Camozzato (Novo), Fernanda Melchionna (PSOL), Idenir Cecchim (PMDB), João Carlos Nedel (PP), José Freitas (PRB), Lourdes Sprenger (PMDB), Marcelo Sgarbossa (PT), Mauro Pinheiro (Rede), Mauro Zacher (PDT), Mendes Ribeiro (PMDB), Moisés Barboza (PSDB), Mônica Leal (PP), Paulo Brum (PTB), Professor Alex Fraga (PSOL), Reginaldo Pujol (DEM), Roberto Robaina (PSOL), Rodrigo Maroni (Podemos) e Sofia Cavedon (PT).