Canoas proíbe a circulação de carroças no centro da cidade

Projeto "Cavalo de Lata", que prevê a substituição das carroças por triciclos movidos pela força humana. Arte sobre foto divulgação/Publicidade Secom

A Câmara de Vereadores de Canoas aprovou por unanimidade o projeto do Executivo que cria o Programa de Redução Gradativa de Veículos de Tração Animal. Inicialmente, a proposta proíbe a circulação de carroças conduzidas por animais no centro de Canoas. No entanto, o texto dá prazo de dois anos para que seja proibida, em todo o município, a circulação de veículos de tração animal e a exploração animal para o transporte de cargas e de passageiros.

A nova legislação revoga a lei nº 6.044, de 2016, que previa a proibição dentro de oito anos da circulação de veículos de tração animal e também de veículos de tração humana, os chamados carrinheiros. A norma atual aprovada pela Câmara de Vereadores de Canoas reduz o prazo de oito para dois anos e permite a circulação de veículos de tração humana.

O prefeito Luiz Carlos Busato destaca que o programa vai coibir os maus-tratos aos animais sem prejudicar as famílias que vivem da reciclagem em Canoas. “Nós não podemos admitir que ainda hoje se escravize um animal para puxar uma carroça. Por outro lado, também pensamos na questão social, queremos reencaminhar a fonte de renda das famílias que trabalham com as carroças”, ressaltou.

Cavalo de Lata

Dentro do conjunto de ações previstos no Programa de Redução Gradativa de Veículos de Tração Animal, está inserido o projeto “Cavalo de Lata”, que prevê a substituição das carroças por triciclos movidos pela força humana. Em um primeiro momento, serão disponibilizados pela prefeitura de Canoas dez triciclos.

Os equipamentos foram adquiridos pela Secretaria do Meio Ambiente por meio de um Termo de Compensação Vegetal, que é um compromisso ambiental assumido por um empreendedor como forma de compensar a retirada de vegetação no município.