Municipários

Sindicatos dos servidores de Porto Alegre e dos médicos discutem ação conjunta

Representantes do Simpa reforçaram o pedido de apoio ao Simers. Foto: Guilherme Tubino/Simers

Preocupados com os projetos que, conforme os sindicatos, são prejudiciais aos servidores, representantes da direção do Simpa (Sindicato dos Municipários de Porto Alegre) visitaram, na terça-feira o presidente do Simers (Sindicato Médico do RS), Paulo de Argollo Mendes. A pauta tratou da articulação de uma ação conjunta das entidades e o fortalecimento da mobilização da categoria municipária na luta contra os projetos de lei apresentados pelo prefeito Nelson Marchezan Jr.

As entidades manifestaram preocupação especial com o futuro do serviço público. Ambas as diretorias afirmam que a gestão Marchezan produz a crise do município, intensificando as dificuldades financeiras e precarizando os serviços públicos como forma de justificar futuras privatizações e contratações terceirizadas. “O objetivo é atender aos interesses de setores empresariais em detrimento das necessidades da população. Neste sentido, o prefeito tem como alvo principal de seus ataques os servidores, foco de resistência ao seu projeto”, dizem as entidades.

Para enfrentar este processo, o Simpa propôs ações conjuntas especialmente focadas no diálogo com a Câmara Municipal e com os servidores e servidoras para formar uma barreira à aprovação dos projetos, que tramitam em regime de urgência e que deverão ser votados até julho.

Os diretores do Simpa, Luciane Pereira e Alberto Terres, destacaram o papel que a mobilização da categoria teve no ano passado, quando a greve de 40 dias resultou em importante apoio dos vereadores e da população retardando, assim, a tramitação do PLs. O Simpa espera conseguir a adesão de, ao menos, 22 vereadores que, no ano passado, assinaram ofício se comprometendo a votar contra os projetos. Argollo destacou a disposição do Simers em somar esforços em defesa da saúde pública e contra o pacote.