BALNEABILIDADE

Rio Grande do Sul tem oito pontos impróprios para banho

Ao todo, 91 pontos foram analisados no Estado no boletim da Fepam

Compartilhe:

A Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental) divulgou, nesta sexta-feira (2), o oitavo boletim do projeto Balneabilidade da temporada 2023/2024. Dos 91 pontos analisados no Estado, 83 estão próprios para banho e oito apresentam condição imprópria. São eles:

  • Barra do Ribeiro – Praia Recanto das Mulatas – Lago Guaíba
  • Candelária – Balneário Carlos Larger – Rio Pardo
  • Dom Pedrito – Praia Passo Real – Rio Santa Maria
  • Pelotas – Valverde – Trapiche
  • Pelotas – Valverde – Av. Sen. Joaquim A. de Assunção
  • Santa Vitória do Palmar – Barra do Chuí
  • Santa Vitória do Palmar – Balneário do Porto – Lagoa Mirim
  • Torres – Praia da Cal – Av. Independência

Voltaram à condição própria nesta semana um ponto em Xangri-lá (Rainha do Mar) e dois pontos na cidade de Imbé (Mariluz e Santa Terezinha), no Litoral Norte.

A Praia da Cal, em Torres, única que segue imprópria na região, registrou baixos valores da bactéria Escherichia coli nas últimas duas semanas. Se assim continuar, segundo a Fepam, voltará a estar balneável a partir do próximo boletim.

Já Valverde – Trapiche, em Pelotas, ponto que aparece na lista de impróprios desde o primeiro boletim, divulgado em 15 de dezembro, vem apresentando altos valores. Portanto, não tem perspectiva de mudança na classificação no mês de fevereiro.

O mergulho nesses locais oferece riscos à saúde. A recomendação é que os banhistas evitem pontos impróprios e arredores, especialmente junto às águas que chegam às praias por tubulação, arroios ou rios. O alerta vale principalmente para crianças, idosos e pessoas com baixa imunidade. Os sintomas mais comuns após o banho em áreas contaminadas são diarreia, dor abdominal e enjoos.

A análise

Para identificar se as condições de balneabilidade em determinado local são adequadas, são analisados dois indicadores: Escherichia coli, também chamada de E.coli, uma bactéria cuja presença em abundância na água indica contaminação por fezes; e Cianobactérias, ou algas azuis, que podem ocorrer em qualquer manancial superficial. Estas últimas são analisadas somente nos balneários de Osório (Lagoa Peixoto), Pelotas e Tapes.

O monitoramento da qualidade da água é feito semanalmente, e os boletins são divulgados sempre às sextas-feiras pela Fepam. Os avisos de local próprio ou impróprio para banho também devem estar em destaque em placas informativas fixadas nos pontos de coleta de água. A responsabilidade pelas praias é das prefeituras.

Recomendações aos banhistas:

  • Entre na água apenas em local com condição própria para banho.
  • Evite tomar banho nas primeiras 24 horas após chuvas intensas, em saídas de córregos ou rios que afluem nas praias, pois as águas podem estar contaminadas por esgotos domésticos.
  • Não tome banho em locais com concentração de algas, pois podem conter toxinas prejudiciais à saúde.

Quer receber notícias no WhatsApp?
Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Compartilhe:
error: