ZONA NORTE

DPE cobra explicações sobre explosão em condomínio em Porto Alegre

Um vazamento de gás GLP causou uma explosão em um dos apartamentos na zona norte de Porto Alegre.

Compartilhe:
Um grupo de defensores públicos esteve novamente no residencial para coletar depoimentos de alguns moradores. Foto: Francielle Caetano – ASCOM DPE/RS

A DPE-RS (Defensoria Pública do Rio Grande do Sul) está auxiliando os moradores do condomínio Alto São Francisco, localizado no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre.

Parte do residencial está interditado desde o dia 4 de janeiro, quando um vazamento de gás GLP (gás liquefeito de petróleo) causou uma explosão em um dos apartamentos do conjunto habitacional. Dos 22 prédios construídos, quatro estão interditados em razão de danos na estrutura.

Na última sexta-feira (5), o defensor público Rafael Magagnin, dirigente do NUDECONTU (Núcleo de Defesa do Consumidor e Tutelas Coletivas), esteve em reunião, junto de representantes do Ministério Público do Rio Grande do Sul, com moradores do condomínio.

“Ao menos 60 pessoas seguem sem poder retornar para suas casas – alguns estão dormindo, de forma improvisada, no salão de festas do condomínio e outros foram para casas de parentes ou amigos”, ressaltou a DPE-RS.

“Além disso, foram enviados quatro ofícios buscando explicações sobre o ocorrido: à Empresa Tenda, responsável pela construção; à Caixa Econômica Federal, para informações sobre o seguro dos apartamentos; e à Defesa Civil de Porto Alegre e ao Instituto-Geral de Perícias (IGP), ambos para ter dados técnicos da explosão”, completou.

Durante a tarde de segunda-feira (9), um grupo de defensores públicos esteve novamente no residencial para coletar depoimentos de alguns moradores.

“Há reclamações quanto à indefinição da situação e também do suposto descaso da construtora e da empresa que administra o condomínio, que, segundo os atingidos, não têm dado o apoio necessário para quem reside no local”, ressaltou a DPE-RS.

“A gente quer respostas, queremos saber onde vamos morar, se vamos conseguir um aluguel social ou se vamos ter que continuar de favor”, disse Mauren Vieira, uma das moradoras atendidas pela DPE-RS.

Ação judicial

De acordo com os defensores públicos Renato Muñoz, dirigente do NUDEAM (Núcleo de Defesa Agrária e Moradia), e Magagnin, os depoimentos coletados servirão para, caso necessário, que se ingresse com ação judicial, contudo é preciso aguardar o retorno dos ofícios encaminhados e, principalmente, o laudo técnico do IGP.

Nesta terça-feira (9), acontece uma reunião entre Defensoria Pública do Rio Grande do Sul, Ministério Público e Prefeitura de Porto Alegre para conversar sobre o caso.

Quer receber notícias no WhatsApp?
Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Compartilhe:
error: