OPERAÇÃO DAKOVO

Empresa que contrabandeou 43 mil armas para facções brasileiras é alvo da PF

As armas entravam no Brasil, inclusive no RS, através de grupos de intermediários que atuavam na fronteira com o Paraguai

Compartilhe:

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (5), uma operação contra o tráfico internacional de armas. É investigada uma empresa que, em três anos, importou cerca de 43 mil armas para o Paraguai. O armamento, após ser raspado, entrava no Brasil, inclusive no RS, através de grupos de intermediários que atuavam na fronteira com o Paraguai, tendo como destinatárias as principais facções do Brasil.

Foto: Polícia Federal/Divulgação

Estima-se que nesse tempo, a empresa movimentou R$ 1,2 bilhão de reais. Entre o armamento importado constam pistolas, fuzis e munições de vários fabricantes europeus sediados na Croácia, Turquia, República Tcheca e Eslovênia.

Nesta terça, na “Operação Dakovo”, são cumpridas 25 prisões preventivas, seis temporárias e 52 mandados de busca e apreensão no Brasil, nos Estados Unidos e no Paraguai.  Até o início da manhã, cinco suspeitos haviam sido presos no Brasil e 11 no Paraguai. Não há mandados no Rio Grande do Sul.

Entre os procurados, está um homem que é tido como o maior contrabandista de armas da América do Sul. Neste momento, ele se encontra foragido.

Foto: Polícia Federal/Divulgação

A ação de hoje da PF é mais uma direcionada a estes criminosos. Desde o início das investigações, foram realizadas 67 apreensões, que totalizam 659 armas apreendidas no território brasileiro, apreensões estas realizadas em 10 Estados da federação: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Ceará.

A operação foi realizada pela Polícia Federal no Estado da Bahia, em parceria com Ministério Público Federal e cooperação internacional com a Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (SENAD/PY) com o Ministério Público do Paraguai. A ação contou ainda com a FICTA (Força-Tarefa Internacional de Combate ao Tráfico de Armas e Munições), que é composta pela HSI (Homeland Security Investigations), SENASP (Secretaria Nacional de Segurança Pública) sob Supervisão do Serviço de Repressão ao Tráfico de Armas da PF.

Quer receber notícias no WhatsApp?
Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Compartilhe:
error: