MUDANÇA CLIMÁTICA

RS debate enfrentamento aos eventos climáticos extremos na COP28

O Estado busca cumprir até 2030 o controle das emissões de gases do efeito estufa. Isso deve expandir consideravelmente a área de agricultura de baixo carbono

Compartilhe:

O enfrentamento aos eventos climáticos extremos priorizando a proteção da vida será o foco dos representantes do governo do Rio Grande do Sul na COP28 (Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas). O evento, que reúne autoridades mundiais nas discussões sobre o enfrentamento das mudanças climáticas, começou nesta quinta-feira (30) e segue até 12 de dezembro, em Dubai, nos Emirados Árabes.

O governo gaúcho está representado pelo vice-governador Gabriel Souza, que estará presente nos primeiros dias do evento. A titular da Sema (Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura), Marjorie Kauffmann, também faz parte da comitiva. Ela relata que o objetivo do governo gaúcho é mostrar a realidade do Rio Grande do Sul, buscando apresentar as nossas cadeias produtivas e a conciliação entre desenvolvimento e preservação ambiental.

“Nos anos anteriores, estivemos engajados em mostrar a nossa produção agropecuária sustentável. Neste ano, adicionamos a essa possibilidade a busca por alternativas de adaptação e de minimização dos impactos das mudanças climáticas”, pontuou. Estes temas serão contextualizados com a situação dos biomas Pampa e Mata Atlântica, além das questões da transição energética “justa”, ações diante dos eventos climáticos extremos e estratégias de combate às mudanças climáticas (Proclima2050).

“O Estado possui oito metas a cumprir até 2030 para o controle das emissões de gases do efeito estufa. Com isso, teremos uma expansão de 4,6 milhões de hectares com agricultura de baixo carbono e a mitigação de 75 milhões de dióxido de carbono equivalente (tCO2eq) com a adoção dessas práticas agrícolas”, afirmou o representante da Seapi (Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação) na COP 28, o engenheiro florestal e coordenador do Comitê Gestor do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono no Rio Grande do Sul (Plano ABC+ RS), Jackson Brilhante.

Além da Sema e da Seapi, farão parte do grupo integrantes da Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental).

Primeiro dia

A COP28 começou com a aprovação de um fundo climático para financiar as perdas e danos dos países vulneráveis. O objetivo da medida é reduzir as tensões entre Norte e Sul.

A decisão histórica põe em prática o que havia sido acordado na COP27, realizada no ano passado no Egito. Na ocasião, foi aprovado o princípio da criação do fundo, mas sem definir seus detalhes.

Quer receber notícias no WhatsApp?
Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Compartilhe:
error: