DICA

10 livros para ler antes do vestibular e Enem

Entre 2018 e 2022, Machado de Assis foi o autor mais mencionado pelo Enem, com, pelo menos, cinco perguntas sobre suas obras.

Compartilhe:
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O período de vestibulares está chegando e os participantes já estão buscando aprimorar os seus estudos. Este ano, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) acontecerá entre os dias 5 e 12 de novembro de 2023. Diante disso, um dos conhecimentos mais cobrados pelo Enem é o de literatura nacional.

As provas de vestibulares normalmente abordam cada um dos movimentos literários do Brasil e do mundo. Entre 2018 e 2022, Machado de Assis foi o autor mais mencionado pelo Enem, com, pelo menos, cinco perguntas sobre suas obras.

Para compor a lista de obras da literatura brasileira, conheça dez livros que costumam cair nas provas de vestibulares.

Quincas Borba, de Machado de Assis (1891)

Parte do movimento literário intitulado realismo – que se propõe a analisar as relações humanas de forma mais real –, o livro conta a história de Rubião, um professor de matemática que herda toda a fortuna de seu amigo, o excêntrico filósofo Quincas Borba. Após a morte do amigo, Rubião passa a viver uma realidade completamente diferente, cercado de luxo, e se torna objeto de manipulação por parte de seus “amigos”.

Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto (1915)

A obra narra a história de Policarpo Quaresma, um funcionário público apaixonado pelo Brasil e pelas tradições nacionais.

Por meio da trajetória de Policarpo Quaresma, Lima Barreto faz uma crítica contundente à alienação, à falta de senso crítico e à dificuldade de adaptação de um indivíduo em um contexto social. O livro é um dos ícones do movimento pré-modernista, transição de escolas como realismo e naturalismo para o modernismo.

O Cortiço, de Aluísio Azevedo (1890)

Esse livro é um romance naturalista que conta a história de pessoas que vivem em uma espécie de habitação coletiva precária e superlotada, localizada no Rio de Janeiro durante o século XIX.

A história se desenrola em torno de João Romão, um ambicioso comerciante português que, a partir da exploração dos moradores do cortiço, consegue acumular riqueza.

Ao longo da trama, o autor apresenta uma ampla gama de personagens que habitam o cortiço, representando diferentes camadas sociais e etnias de forma crua e realista, a qual é uma das principais características do movimento naturalista.

O Ateneu, de Raul Pompéia (1888)

Parte do movimento realista, o livro acompanha a história de Sérgio, um jovem estudante que é enviado por seus pais para estudar em um prestigioso colégio interno chamado Ateneu.

Por meio de simbolismos, o texto retrata as tensões e os conflitos existentes na sociedade brasileira do final do século XIX e apresenta uma análise da alma humana e das relações de poder que marcam o ambiente escolar. Nessa obra, ainda são apresentadas as ilustrações do próprio autor para o livro.

Dom Casmurro, de Machado de Assis (1899)

Sendo uma das obras iniciais do realismo brasileiro, o livro confirma o olhar certeiro e crítico que o autor estendia sobre toda a sociedade brasileira. Trazendo a temática do ciúme, o livro provoca polêmica em torno do caráter de uma das principais personagens femininas da literatura brasileira.

Famoso por sua narrativa ambígua, a obra deixa em aberto a questão da infidelidade de Capitu e a paternidade de Ezequiel. Essa ambiguidade é uma das características marcantes de Machado de Assis, que explora as contradições da mente humana e a subjetividade da realidade.

Mensagem, de Fernando Pessoa (1934)

De autoria do poeta português Fernando Pessoa, o livro é uma compilação de poemas que apresentam uma visão épica da história de Portugal, explorando temas como a identidade nacional, o destino coletivo e o mito do herói.

Por meio da poesia, o livro retrata a trajetória de Portugal desde os tempos antigos até o presente, explorando a relação entre o passado e o presente e a busca por um sentido de identidade nacional e o papel de Portugal no contexto mundial.

Nesta obra também são apresentados textos de autoria do próprio poeta que explicitam o modo de composição, a produção e um breve relato biográfico.

Espumas Flutuantes (1870) e Os Escravos, de Castro Alves (1884)

Outro poeta da lista é o baiano Castro Alves com as obras Espumas Flutuantes e Os Escravos, finalmente reunidas em uma nova edição há tempos desaparecida no mercado editorial brasileiro.

Abertamente abolicionista, o autor versa poemas sobre a escravidão, denunciando os horrores e injustiças de um período marcante da história do país. um dos mais importantes poetas do romantismo brasileiro.

As obras, importantes legados do romantismo brasileiro, são marcadas pela intensidade lírica, pelos diálogos fortes e pela representação vívida das personagens e dos cenários.

Iracema, de José de Alencar (1865)

A trama se passa durante a colonização do Brasil e retrata os conflitos entre os colonizadores europeus e as tribos indígenas. Iracema, filha do pajé da tribo dos tabajaras, é destinada a guardar um segredo, mas seu destino se cruza com o de Martim, um português, que se perde nas matas e é acolhido pela jovem.

Entre eles, nasce um amor que desafia as barreiras culturais e sociais da época. O romance é marcado por uma linguagem poética, retratando a exuberância da natureza brasileira, os costumes indígenas e as paisagens do Ceará.

Brás, Bexiga e Barra Funda (1927) e Laranja da China (1928), de António de Alcântara Machado

As obras publicadas na primeira fase do modernismo são uma coletânea de contos que retrata a vida cotidiana dos imigrantes italianos em São Paulo. Trazendo o realismo e a crítica da realidade urbana, os contos exploram os desafios e as adversidades enfrentadas pelos imigrantes em busca de melhores condições de vida.

Os contos abordam questões como o choque cultural, a marginalização, a exploração no trabalho e a luta pela sobrevivência, com uma linguagem rica em expressões típicas do dialeto italiano e em elementos do cotidiano dos imigrantes para dar autenticidade às histórias e às personagens.

A Ilustre Casa de Ramires, de Eça de Queirós (1900)

Por meio da história de Gonçalo Mendes Ramires, um fidalgo provinciano que vive numa casa ancestral na região de Trás-os-Montes, em Portugal, a obra apresenta a complexidade da sociedade portuguesa do final do século XIX, revelando as fissuras e os desafios enfrentados por uma classe social em declínio.

Gonçalo é um personagem idealista, fascinado pela história e pelo passado brilhante de sua família que busca restaurar a glória dos Ramires através da escrita de um livro sobre a história da casa e de suas memórias. No entanto, a trama se desenrola em torno dos desafios enfrentados por Gonçalo ao tentar conciliar suas ambições literárias com a realidade, além de intrigas políticas e românticas.

 

Quer receber notícias no WhatsApp?
Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Compartilhe:
error: