EM ALERTA

Seapdr promove ações após caso de Aujeszky em São Gabriel

Em São Gabriel, a confirmação ocorreu na última sexta-feira (23), após um proprietário acionar a Seapdr por conta de mortes de porcos.

Compartilhe:
Servidores da Seapdr estão em São Gabriel conduzindo ações de mitigação de riscos. Foto: Divulgação

A Seapdr (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural) está conduzindo ações após a confirmação de um caso positivo da doença de Aujeszky no município de São Gabriel, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul.

“As ações se basearam no despovoamento da propriedade de subsistência positivada, vigilância e sorologia dos suínos localizados em um raio de cinco quilômetros a partir do foco, conforme preconizado pelo Plano Nacional de Sanidade Suídea”, disse a Seapdr.

Segundo a Secrataria, as atividades nesta semana foram concluídas com mais de 100 propriedades vistoriadas e cerca de 500 amostras coletadas para comprovar a ausência da enfermidade.

“A defesa sanitária animal está constantemente sendo desafiada; no entanto, o corpo técnico desta secretaria é extremamente qualificado e acreditamos que não haverá comprometimento da excelência na produção agropecuária do Rio Grande do Sul”, destaca o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Domingos Velho Lopes.

Doença de Aujeszky

Conforme a Seapdr, a doença é uma infecção viral, que não é transmissível para seres humanos, mas pode causar nos rebanhos sintomas como tremores, manchas roxas, febre, hipersalivação e outros, tendo dois a seis dias de incubação e podendo ser fatal.

A doença acomete principalmente porcos e javalis, mas também pode afetar vacas, ovelhas, cavalos, cabras, coelhos e mamíferos silvestres.

Em São Gabriel, a confirmação ocorreu na última sexta-feira (23), após o proprietário dos animais acionar a Seapdr por conta de mortes de porcos com sintomas da doença. Foi feito o teste laboratorial que confirmou se tratar de Aujeszky.

O rebanho, de aproximadamente 40 animais, foi sacrificado.


Compartilhe: