ÓBITO

Morre policial militar que foi preso por feminicídio em Guaíba

O policial militar teve a prisão preventiva decretada pela morte da companheira em Guaíba.

Compartilhe:

O policial militar Jonatan da Rosa Ildebrand, 26 anos, que foi preso por feminicídio, teve a morte confirmada por médicos do comando da Brigada Militar.

Ele teve um aneurisma no último dia 5, no presídio militar, e foi encaminhado primeiro ao Hospital da Brigada Milita, mas, devido à gravidade da situação, foi encaminhado para a UTI do Ernesto Dornelles, onde não resistiu.

De acordo com a Brigada Militar, Ildebrand, que era soldado, morreu na quinta-feira (8), mas só hoje que os médicos fizeram a divulgação.

Ele teve a prisão preventiva decretada pela morte da companheira, Mariana Canofe Marques, 21 anos, em Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

Nota da Brigada Militar

A Brigada Militar comunica que ocorreu, na quinta-feira, 8 de dezembro, o falecimento do policial militar Jonatan da Rosa Ildebrand, que estava recolhido no Presídio Policial Militar.

O policial, que encontrava-se isolado de outros detentos, relatou fortes dores de cabeça no dia 5 de dezembro, quando foi encaminhado para atendimento no Hospital Ernesto Dornelles.

No hospital ele passou por exames e procedimento, permanecendo internado na Unidade de Terapia Intensiva. O laudo dos médicos da unidade de saúde aponta aneurisma como a causa da morte de Jonatan.

O policial militar foi preso após terem sido encontrados indícios de seu envolvimento no feminicídio de sua companheira, ocorrido em Guaíba, no final do mês de novembro, quando o mesmo teria tentado forjar elementos que indicassem o suicídio da jovem.


Compartilhe: