SEQUESTRO

Homem é resgatado de sequestro pela Polícia Civil, em Portão

Dois suspeitos foram mortos no local do cativeiro, em uma área rural

Compartilhe:

A Polícia Civil localizou na noite de terça-feira (27), em Portão, no Vale dos Sinos, o cativeiro onde um homem era mantido após ser sequestrado no dia anterior (26), em Canoas, na Região Metropolitana. Dois suspeitos foram mortos no local do cativeiro, em uma área rural. Antes disso, um homem havia sido preso em flagrante em Canoas. Após o resgate, mais uma pessoa foi presa.

A vítima, de 31 anos, foi raptada na região central de Canoas, no dia 26 de dezembro, por volta das 18h15. Ele e seus familiares possuem um comércio na cidade. Ainda na mesma data, por volta das 19h, a família passou a receber contatos por meio de Whatsapp.

Os sequestradores disseram estar de posse da vítima e exigiram que o valor de R$500 mil como resgate, que foi pago pelos familiares. Depois, a família acionou a Polícia.

A investigação chegou a três pessoas suspeitas de envolvidas no crime. A prisão ocorreu em uma primeira diligência. Com o detido, que estava na companhia de uma mulher, foi apreendido um veículo VW/FOX, de cor preta, utilizado no sequestro. Segundo a Polícia Civil, o veículo é produto de crime, tendo sido roubado no dia 21 de novembro, na cidade de Guaíba.

A efetuação da prisão permitiu encontrar o cativeiro. Quando chegaram no local, os policiais civis relataram terem sido recebidos por diversos disparos de arma de fogo. Os agentes realizaram, então, reposta armada, o que resultou na morte dos sequestradores ainda no local.

A vítima de sequestro foi localizada no interior de um banheiro. A última prisão, de um homem de 32 anos, foi realizada na sequência do resgate. Este último detido foi o responsável por receber os valores transferidos da conta da vítima para a conta bancária dos criminosos. Ele também tentaria realizar saques em diferentes bancos.

A prisão ocorreu em São Leopoldo, com apoio da Brigada Militar e da Guarda Civil Municipal, quando o detido tentava fugir. A investigação prossegue para apurar a participação de outras pessoas no caso.


Compartilhe: