ESTRANGEIRO

Quem é Carlo Ancelotti, italiano cotado para assumir a seleção brasileira?

CBF busca substituto para Tite, que deixou o comando da equipe após eliminação na Copa do Catar.

Compartilhe:
Carlo Ancelotti é o atual técnico do Real Madrid. Foto: Divulgação/Real Madrid

Considerado um dos principais favoritos ao título da Copa do Mundo em sites de apostas como o apostas24, o Brasil não conseguiu passar das quartas de final e foi eliminado nos pênaltis para a Croácia.

Como consequência, a CBF prevê uma reformulação da comissão técnica, a começar por seu principal comandante: Tite. O treinador já havia avisado há alguns que não ficaria na seleção, mesmo que vencesse a Copa.

Ele assumiu o Brasil em 2016 e disputou dois mundiais. Em ambos foi eliminado nas quartas de final e por uma seleção europeia – em 2014 a queda aconteceu diante da Bélgica, por 2 a 1.

Após a derrota para os croatas, Tite avisou na entrevista coletiva que seu ciclo na seleção se encerrava naquele momento. A partir dali, as especulações em torno do substituto só aumentaram, e um nome ganhou força nos bastidores: Carlo Ancelotti.

O italiano, atual técnico do Real Madrid, é visto por algumas pessoas influentes, como o ex-jogador Ronaldo, como nome ideal para comandar o Brasil. Algumas pessoas também acreditam que a CBF deveria investir, pela primeira vez em sua história, em um técnico estrangeiro, algo que nunca aconteceu.

Ancelotti começou sua carreira como técnico no futebol italiano, na década de 1990. Desde então, acumulou títulos e conquistas pessoas em clubes como Milan, Real Madrid, Paris Saint Germain, Bayern de Munique, entre outros. Foi campeão por algumas vezes da Liga dos Campeões da Europa, o principal torneio de clubes do mundo.

Para se ter uma ideia, ele acumula nada menos 24 títulos ao longo da carreira. Destes, quatro são Liga dos Campeões da Europa (duas com o Milan, em 2002-03 e 2006-07; e outras duas com o Real Madrid, em 2013-14 e 2021-22).

Ostenta também no currículo uma ótima relação com o futebol brasileiro. No Milan, comandou estrelas como Ronaldo, Kaká e Cafu.

No Real Madrid, onde está atualmente, foi um dos responsáveis pela evolução de Vini Jr., que se tornou peça fundamental em sua equipe vencedora da Liga dos Campeões na temporada passada. Outros nomes, como Rodrygo e Eder Militão também cresceram sob comando do italiano.

Esse bom relacionamento com jogadores brasileiros, além da carreira vitoriosa, chamaram a atenção. Ainda assim, a CBF já afirmou em nota que não pretende se manifestar sobre o futuro técnico e que a decisão será divulgada apenas em janeiro do ano que vem.

“Não falo nem com os meus familiares sobre esse assunto. Por isso, nenhum dirigente ou funcionário da CBF está autorizado a falar do futuro da Seleção. Quem falar sobre isso, não estará dizendo a verdade, além de causar danos ao trabalho da imprensa e levar desinformação aos torcedores. Isso é um desrespeito. Todo o processo será feito com total isenção, tempo e estudo necessários”, afirmou Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, em nota.

Segundo o jornal espanhol Marca, Ancelotti, que tem contrato com o Real Madrid até julho de 2023, está focado na temporada com a equipe espanhola e disse não ter recebido nenhum tipo de contato. Além disso, ele não descarta uma renovação de vínculo com os merengues.

Além de Ancelotti, outros nomes surgiram como cotados para a vaga de técnico da seleção brasileira, como Dorival Junior, ex-Flamengo, Fernando Diniz, atualmente no Fluminense, e Abel Ferreira, português que comanda o Palmeiras.

 

 


Compartilhe: