DICA

Pets e fogos de artifício: como preparar os animais

É muito importante que o pet não esteja sozinho no momento em que as queimas estejam ocorrendo os fogos de artifício.

Compartilhe:
pets fogos de artifícios
Foto: Edjane Madza/Divulgação

Se os ruídos dos fogos de artifício fossem quatro vezes mais altos, certamente seriam extremamente desconfortáveis para a maioria das pessoas.

Pois é assim que os pets percebem o barulho da queima de fogos. Enquanto os humanos captam sons entre 16 e 20.000 Hz, os cães escutam sons entre 10 e 45.000 Hz e os gatos mais jovens até 100.000 Hz.

Períodos de comemorações, como Natal e virada do ano, por exemplo, acendem o alerta de perigo para os animais. O ruído dos fogos de artifício pode causar desde medos, traumas, posturas agressivas, tentativas de fugas até laceração dos tímpanos, ataque cardíaco, desmaios, automutilações ou convulsões.

Por isso, os tutores devem tomar medidas preventivas também em cidades nas quais as queimas de fogos com estampidos já são proibidas. Infelizmente, não é toda a população que cumpre as regras.

Como preparar o pet para a queima de fogos

Segundo a médica veterinária Farah de Andrade, tentar habituar os pets a sons altos e de fogos é uma boa alternativa. Colocar música para o pet ouvir frequentemente e aumentar o volume aos poucos, vai fazer com que se acostume.

Farah ressalta que é importante associar o momento a algo que o pet goste, como brincadeiras, carinho e petiscos. Aproveitar eventuais queima de fogos para associar a recompensas positivas e mostrar tranquilidade ao pet também vai contribuir para a prevenção de respostas exacerbadas em momentos de festejos mais intensos.

Medicamentos fitoterápicos e florais também são grandes aliados. “É importante consultar um médico veterinário para que ele indique o medicamento mais adequado e a dose correta para o pet, de acordo com o seu peso e as suas condições de saúde. O ideal é iniciar o tratamento com pelo menos uma semana de antecedência ao episódio de queima de fogos”, ressaltou a veterinária.

“Medicar um animal nem sempre é uma tarefa fácil, especialmente os gatos. Por isso, a manipulação de medicamentos faz tanta diferença nos tratamentos. O tutor pode oferecer o medicamento em forma de biscoito no sabor bacon ou calda sabor caramelo, por exemplo, o que vai fazer com que o pet aceite facilmente. Nos momentos de estresse ou para um animal mais sensível, esse diferencial pode ser um fator decisivo para a adesão ao tratamento”, completou Farah.

A  veterinária também orienta sobre a manipulação de Florais de Bach. “Existem fórmulas que combinam mais de um floral, atuando especialmente no medo. Já o floral emergencial atua em situações de mudanças repentinas, viagens e crises de ansiedade, proporcionando tranquilidade. Uma boa opção para termos sempre em casa”, disse.

Como proceder durante a soltura de fogos de artifício

É muito importante que o pet não esteja sozinho no momento em que as queimas estejam ocorrendo, pois ele pode achar que está em perigo e tentar fugir.

No momento do desespero, os animais são capazes de pular janelas e muros ou passar por espaços que não conseguiriam normalmente. Cão preso na coleira e guia, nem pensar. O risco de se machucar gravemente é ainda maior.

O ideal é que o animal fique dentro de casa, pois será mais difícil escapar e ficará mais tranquilo ao se sentir próximo do tutor. Fechar portas, janelas e cortinas, ajudará a abafar o som e criará a sensação de segurança. Disponibilizar petiscos e brinquedos e fazer uso de feromônios tornam o ambiente ainda mais agradável.

O som de músicas clássicas e relaxantes, além de amenizar o barulho externo, ajuda a tranquilizar os pets.


Compartilhe: