FENÔMENOS

O que são as luzes misteriosas vistas no céu do RS?

Desde o dia 4 de novembro as luzes frequentam os céus do Rio Grande do Sul.

Compartilhe:
Crédito: Reprodução/ Câmera Aeroporto Internacional Salgado Filho

O fascínio humano pelo desconhecido – e as teorias que surgem na tentativa de explicar fenômenos aparentemente inexplicáveis – tem tido terreno fértil nas luzes que, desde o dia 4 de novembro, frequentam os céus do Rio Grande do Sul.

A história ganhou força após a divulgação de diálogos entre operadores de voo e pilotos, profissionais que, apesar de habilitados para identificar os mais diversos fenômenos atmosféricos, se mostraram surpresos com o que estavam testemunhando.

Diante desse contexto de dúvidas, a reportagem procurou o Observatório Nacional, na tentativa de esclarecer o que seriam as tais luzes já tão comentadas nas mídias e nas redes sociais. Parte dos casos – os de luzes em movimento uniforme – já têm explicação cientificamente respaldada pelo astrônomo do Observatório Nacional Marcelo De Cicco.

“Outra parte ainda não tem explicação”, acrescentou De Cicco, referindo-se a luzes que fazem movimentos rodopiantes em espiral. Segundo ele, não se pode afirmar que as luzes relatadas tenham origem extraterrestre.

“A princípio, chamamos essas aparições de fenômenos aéreos não identificados (UAPs, sigla em inglês). Podem ser fenômenos naturais da atmosfera, planetas, nuvens ou mesmo objetos como drones ou balões”, ressaltou.

Satélites

No caso específico das luzes em movimento uniforme, o astrônomo tem uma explicação, fruto de uma investigação já publicada por ele. No site, é possível ver algumas das filmagens desses objetos.

“São os satélites da Starlink, uma das empresas do Elon Musk. Esses satélites têm uma superfície metálica, com sua base voltada à Terra apresentando anteparos que refletem de forma mais intensa a luz. Fiz todos os cálculos, levando em consideração o posicionamento dos satélites e dos observadores, além do ângulo de iluminação da Terra e dos satélites”, disse.

“Tudo está batendo, com relação às aparições das luzes em movimento uniforme”, garantiu. Os reflexos desses novos satélites já vinham sendo relatados pela comunidade científica.

“Houve inclusive muita pressão contra a empresa, pelo fato de esses satélites estarem atrapalhando as observações no céu”, ressaltou.

Segundo De Cicco, a Starlink chegou a assumir, como compromisso, o de dar um tratamento de brilho diferenciado nas superfícies dos próximos satélites, que orbitam a cerca de 550 km da superfície, de forma a evitar tais reflexos.

Explicação

“Essa rede de constelação de satélites orbita muito em latitudes nos extremos norte e sul, em meio a sombras e penumbras. Quando vai chegando o verão, os satélites passam de forma mais rápida pela penumbra e acabam sendo iluminados nas partes voltadas à superfície, causando reflexos que ficam mais visíveis no sul do Brasil, na Argentina e no Uruguai. Isso vai acontecendo de maneira cada vez mais frequente com a chegada do verão. Posteriormente, diminuirão”, explicou.

Com relação aos registros de celulares a bordo do avião que mostram luzes “aparentemente paradas”, o astrônomo explica que essa percepção provavelmente se deve a “efeitos de movimentos relativos e paralaxe”.

Essa percepção é relativa e decorre da resultante dos movimentos do observador e do objeto. Há também registros de câmeras de alta definição que, segundo De Cicco, mostram “características de rastro de meteoros”.

Voo 4675

Os relatos de luzes tiveram início no início de novembro. Um deles, no entanto, chamou a atenção por, até o momento, não haver explicação plausível. Foi no dia 5 de novembro, entre operadores e o piloto do voo 4675, da Azul, quando no espaço aéreo do Rio Grande do Sul.

Na gravação, a operadora de voo pergunta ao piloto se ele teria avistado “alguma luz no setor sul de Porto Alegre”.

“Eu ia informar vocês, mas iam falar que eu estou louco. Na verdade, nós estamos vendo essas luzes lá desde Confins. São três luzes girando entre elas, bem forte”, respondeu o piloto que, na sequência, acrescentou que as luzes “aparecem e desaparecem”, e que seriam “fortes e girando em espiral”.

Perguntado sobre qual seria a altitude do objeto, o piloto disse que ele estava “bem mais alto” do que sua aeronave, que voava “no nível 380” – o que equivale a 38 mil pés, ou cerca de 12 km de altura.

De acordo com o astrônomo, as explicações para os demais casos (luzes em movimento uniforme) “não batem com este e outros relatos de luzes que seguem as aeronaves ou que estão em movimento de rodopio”.

No campo das “possíveis explicações” para esta e outras luzes com movimentos diferenciados estão os treinamentos militares da Força Aérea Brasileira, que estão ocorrendo na Região Sul.

“Se fosse para ‘chutar’ o que seriam essas aparições, eu diria que provavelmente se tratam de treinamentos militares. Inclusive já me informei que, de fato, elas estão ocorrendo, com cerca de 800 militares com aeronaves e drones”, disse.

“Agora, de fato, até o momento, desconheço qualquer explicação plausível para essas luzes rodopiantes. Carece ainda de explicação do ponto de vista da natureza ou de atividade humana. O mais estranho é que, tanto pilotos como operadores de voo, se reportaram surpresos com o que estavam vendo. E eles são treinados para identificar fenômenos já conhecidos”, acrescentou.


Compartilhe: