Mãe e padrasto são presos após morte de menino de 2 anos em Cidreira

Criança foi levada já sem vida até uma unidade de saúde em Cidreira na sexta-feira (14). Médicos identificaram lesões no corpo do menino.

Compartilhe:

A Polícia Civil deflagrou uma ação, na manhã desta terça-feira (18), e fez a prisão temporária de um casal de Cidreira, no Litoral Norte. Eles estão sendo investigados pela morte de um menino de dois anos, filho da mulher e enteado do homem. As ordens judiciais de prisão por 30 dias foram decretadas pela Justiça Estadual a partir das investigações realizadas pela delegacia local.

Conforme a Polícia Civil, a criança foi levada pelo padrasto até o Posto de Saúde 24h de Cidreira no fim da tarde de sexta-feira (14). A criança, no entanto, já estava sem vida. Médicos do local identificaram que o menino tinha lesões, que poderiam ser compatíveis com agressão.

A Brigada Militar e o Conselho Tutelar foram acionados e o caso registrado na Delegacia de Polícia. O caso é investigado como homicídio qualificado com tortura.

O corpo do menino foi encaminhado para o DML (Departamento Médico Legal) para a realização de necropsia. Análise preliminar dos legistas apontou que o menino sofreu agressões. Foram detectadas várias equimoses, nome médico para hematomas.

No entanto, a perícia ainda não determinou a causa da morte, sendo que o laudo pericial com este dado deve ficar pronto até a metade de novembro, dentro do prazo de 30 dias. Outros exames foram solicitados pela Polícia Civil para a identificação se a criança sofreu lesões, como fraturas.

A Polícia Civil também aponta que há contradições entre os depoimentos da mãe e do padrasto. Eles foram presos para que não atrapalhem as investigações já em curso, nem que se desfaçam de provas essenciais para a resolução do caso. Os agentes também investigam outras pessoas que possam ter sido negligentes com as agressões em apuração.

Os nomes dos investigados não são divulgados pela Polícia Civil em respeito ao que determina a Lei de Abuso de Autoridade.

Viaturas da Polícia Civil. Foto: Polícia Civil / Divulgação

Compartilhe: