Saiba quando trocar um pneu reformado

O pneu é um ítem fundamental para o bom funcionamento do veículo, entenda quando é a hora certa de trocá-lo.

Compartilhe:

Todo pneu precisa de cuidados específicos, como por exemplo; exames periódicos a cada 5 mil quilômetros, calibragem correta, alinhamento e balanceamento entre outras rotinas.

Mas mesmo realizando todas as rotinas de manutenção preventiva, chega um momento em que eles devem ser trocados, inclusive os pneus reformados.

Segundo o Código de Trânsito brasileiro, o motorista que conduzir o veículo sem os equipamentos obrigatórios, como estabelecido pelo Contran, será punido com uma multa de R$127,69, além de perder cinco pontos na carteira de habilitação. Isso implica em pneus em mau estado de conservação, os famosos “pneus carecas”.

Outro fator de risco são as bolhas, essas “elevações” aparecem após trafegar em vias muito esburacadas ou acidentadas. “

O pneu com bolha deve ser retirado rapidamente e enviado para análise da reforma, se mantida a elevação, pode ocasionar um estouro durante o trajeto”, afirma Gervásio Barbosa, especialista em pneus.

No caso dos pneus reformados, os pneus devem ser retirados com 3mm de borracha. No caso de descarte da carcaça, a legislação brasileira permite utilizar o pneu até o TDI 1,6mm. “Cada modalidade de utilização pode variar na hora da troca ou reforma do pneu”, comenta Gervásio.

Troca e rodízio do pneu reformado

Não é necessário fazer a troca de todos os pneus, somente aqueles que estão com sulco próximos de 3mm de borracha. Entretanto, é importante manter o emparelhamento dos pneus, deixando os pares no mesmo eixo e altura, evitando que um pneu sofra sobrecarga devido a altura desiguais.

Já em relação ao rodízio, Gervásio explica que a modalidade é uma excelente opção. “O rodízio é um serviço que ajuda muito a evitar desgaste prematuro dos pneus, ele serve para corrigir eventuais desvios na suspensão de veículo”, afirma.

Existe um limite para substituir o pneu?

Não existe uma máxima ou um “não é permitido” rodar usando o estepe, que é recorrido pelos condutores, mas é importante observar o emparelhamento dos pneus em relação a altura do desenho da banda de rodagem, além da medida da carcaça, que deve ser a mesma dos que estão rodando.

Importante sempre observar a calibragem do estepe para que em caso de necessidade não ser surpreendido com o pneu com baixa pressão (murcho).

A regra é substituir observando a legislação no que se refere ao limite do sulco de borracha remanescente da banda de rodagem, ou a indicação do reformador quando o pneu for destinado para reforma. Importante verificar o dot (data de fabricação do pneu) e sua validade, normalmente são cinco os de vida.

 


Compartilhe: