Susepe transfere mais 10 presos envolvidos em disputa entre facções

As transferências foram efetivadas pela Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários) na manhã desta sexta-feira (16).

Compartilhe:
Foto mostra viaturas da Susepe deixando o Presídio Central de Porto Alegre, em desdobramento da Operação Império da Lei 4.
Foto: Imprensa Susepe / Divulgação

A SJSPS (Secretaria de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo) transferiu mais 10 apenados, em um novo desdobramento da Operação Império da Lei 4, deflagrada ontem (15). Os detentos estão sendo removidos de quatro casas prisionais, em Porto Alegre e Charqueadas, e encaminhados para outras unidades prisionais.

As transferências foram efetivadas pela Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários) na manhã desta sexta-feira (16). Os presos estão sendo encaminhados para a PASC (Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas) e para a Pecan (Penitenciária de Canoas).

Conforme a Susepe, são dos presos seis integrantes de um grupo que tem base no Vale do Sinos. Os outros quatro, são de outra quadrilha que tem base na Vila Cruzeiro, na zona sul da Capital.

A operação teve a participação de agentes do GAES (Grupo de Ações Especiais) da Susepe, do GIR-9 (Grupo de Intervenção Rápida da 9ª Região Penitenciária), da Aripen (Agência Regional de Inteligência Penitenciária), além de servidores dos estabelecimentos penitenciários envolvidos, totalizando cerca de 92 policiais penais. Desta vez, não há emprego de outras forças policiais, sejam estaduais ou federais.

Império da Lei 4

Treze integrantes de facções criminosas foram transferidos, na manhã desta quinta-feira (15), para presídios federais na “Operação Império da Lei 4″. Todos os presos são considerados em “posição de liderança” e integram quatro grupos que atuam no Estado. A ação foi deflagrada pela SJSPS (Secretaria de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo) e pela SSP (Secretaria da Segurança Pública).

A ação contou com cerca de 300 agentes e o emprego de 30 viaturas e uma aeronave, a operação também contou com a atuação de 12 instituições estaduais e federais. A ação é uma resposta ao crime organizado no Estado.


Compartilhe: