Caxias do Sul: PF cumpre mandado em operação que apura fraudes ao Auxílio Emergencial

Até o momento, foi constatado um prejuízo de mais de R$ 1,7 milhão em fraudes ao programa social, somente entre os meses de janeiro e junho deste ano.

Compartilhe:
Operação Escamoteio, da PF. Foto: Polícia Federal / Divulgação

A Polícia Federal cumpriu mandados em Caxias do Sul, na Serra gaúcha, no âmbito da “Operação Escamoteio”, em combate a fraudes praticadas contra o Auxílio Emergencial. Até o momento, foi constatado um prejuízo de mais de R$ 1,7 milhão em fraudes ao programa social, somente entre os meses de janeiro e junho deste ano.

A operação investiga um grupo alterava as informações dos clientes junto ao aplicativo Caixa Tem. A partir dos dados alterados, a quadrilha transferia os valores para contas de membros da organização criminosa.

Nesta sexta-feira (22), o objetivo da PF era desmantelar a quadrilha, que tem entre seus integrantes empregados e terceirizados da própria Caixa Econômica Federal. A Polícia Federal ainda destaca que, além da desarticulação do grupo criminoso, a operação impende desvio de recursos que devem ser destinados a quem tem direito a recebê-los.

A origem da Operação Escamoteio é a Superintendência Regional da Polícia Federal no Mato Grosso. Foram cumpridos mandados em seis estados. São quatro ordens de prisão,, 18 mandados de busca e apreensão, sequestro de bens e ainda dois mandados de suspensão do exercício da função pública. Todas as ordens judiciais foram expedidos pela 5ª Vara Federal da Seção Judiciária do Mato Grosso.

Dos mandados de prisão, três já foram efetivados: Cuiabá (MT), Várzea Grande (MT) e Açailândia (MA). O quarto procurado não foi localizado até o momento. Em Várzea Grande, durante cumprimento de mandado, um homem foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

A Polícia Federal não informou, até as 10h45 da manhã desta sexta-feira, mais informações sobre o mandado cumprido em Caxias do Sul. Também não há detalhes de quem é o alvo da Operação Escamoteio na cidade.

O nome da operação é uma referência à atuação dos criminosos que se dedicam a furtar valores das contas vítimas e. Os criminosos visam encobrir a ação delituosa, movimentam o produto dos crimes em contas de laranjas.


Compartilhe: