Presos confessam assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips, afirmam fontes da Polícia Federal

Compartilhe:
Bruno Araújo Pereira, da Funai e o jornalista inglês Dom Phillips desapareceram na Amazônia. Fotos: Reprodução

Um dos dois presos por suspeita de envolvemento no desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira teria confessado ter matado a dupla, cujo paradeiro é desconhecido desde o último dia 5 de junho.

A informação foi divulgada, primeiro pelo jornalista Valteno de Oliveira, da BandNews. Essa confissão foi confirmada por fontes ouvidas pela jornalista Isabela Camargo, da GloboNews. A Polícia Federal ainda não confirmou a informação de forma oficial.

Segundo a confissão, Osney da Costa, que foi preso pela Polícia Federal, revelou que ele e Amarildo dos Santos cometeram o duplo assassinato. Os corpos de Dom e Bruno teriam sido esquartejados e queimados, e depois jogados em uma vala na terra indígena do Vale do Javari, na Amazônia.

A motivação do crime teria sido a pesca ilegal na região. Os dois criminosos estavam pescando pirarucu e foram alertados por Bruno e Dom Phillips, que estava fotografando. No entanto, Bruno e Dom foram rendidos e, posteriormente, mortos.

Os dois suspeitos presos pelo desaparecimento do indigenista e do jornalista foram levados por agentes da Polícia Federal para a região de buscas pela dupla no início da tarde. Oseney da Costa Oliveira, conhecido como Dos Santos, e o irmão, Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, foram acompanhados por policiais em barcos para dizerem onde deixaram os corpos.

Até o momento, sabe-se que a PF encontrou uma mochila e documentos pertencentes aos dois desaparecidos. Além disso, “material orgânico aparentemente humano” na região. A Polícia Federal deve anunciar detalhes em coletiva hoje.

O governo federal mobilizou a Marinha, Exército e Força Nacional, enquanto o Amazonas mobilizou as forças de segurança locais em busca dos desaparecidos.


Compartilhe: