Tempestade Yakecan: quais medidas preventivas tomar diante da previsão de vendaval

A tempestade Yakecan, que quer dizer “o som do céu” em tupi-guarani, deve ocasionar ventos intensos e acumulados de chuva com potencial para transtornos no RS.

Compartilhe:

O Rio Grande do Sul deve ser afetado, a partir desta terça-feira (17), pela atuação de um ciclone subtropical. A tempestade Yakecan, que quer dizer “o som do céu” em tupi-guarani, deve ocasionar ventos intensos e acumulados de chuva com potencial para transtornos em grande parte do Estado. Os ventos podem ultrapassar os 100 km/h do extremo sul e leste do Rio Grande do Sul ao litoral sul de Santa Catarina

Até a noite da quarta-feira (18), esse sistema poderá se intensificar e ser classificado como “tempestade tropical”, ou seja, um furacão. Ele pode receber essa reclassificação se as rajadas de vento poderão superarem os 120 km/h, além de outras condições definidas pelos meteorologistas.

Com esta previsão, é preciso ficar atento para evitar problemas onde você mora. As orientações preventivas em caso de vendaval são:

  • Revisar a estrutura de sua casa, principalmente seu telhado;
  • Manter as árvores em sua casa sadias, bem podadas e longe da rede elétrica;
  • Não deixar objetos e entulhos soltos no quintal;
  • Informar a prefeitura sobre árvores não sadias identificadas no passeio público;
  • Pedir às concessionárias de energia o corte de galhos que estejam muito próximos da rede elétrica.

Mas o que fazer em caso de ventos fortes hoje:

  • Fechar bem janelas e portas, evitando canalizações de ventos no interior da residência;
  • Desligar os aparelhos elétricos e feche o registro da água e gás;
  • Se estiver em local seguro, permaneça até a diminuição dos ventos;
  • Não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de segurança;
  • Não se abrigar sob árvores ou estruturas metálicas.

E o que fazer após a ventania?

  • Ajude na limpeza e recuperação da área onde se encontra, começando pela desobstrução das ruas ou bueiros;
  • Ajude vizinhos que foram atingidos;
  • Evite o contato com cabos ou redes elétricas caídas: avise a Defesa Civil (pelo telefone 199) ou Bombeiros (pelo 193) sobre estes perigos.

A Defesa Civil recomenda atenção especial às comunidades em situação de vulnerabilidade social, idosos, enfermos, crianças e animais domésticos. Além do tempo instável com chuva e vento, há previsão de queda abrupta de temperaturas. O Estado pode registrar temperaturas baixas ao longo da semana, com previsão de temperaturas mínimas de 3 °C na Serra e 9 °C na região da Campanha.

A tendência é que o tempo estável volte a atuar na quinta-feira (19).

Orientações da Marinha

O ciclone provoca condições favoráveis para a ocorrência de ressaca no litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna. As ondas podem variar entre 2,5 e 4,0 metros até a manhã de quinta-feira (19). Também está prevista ressaca com ondas entre 2,5 e 3,0 metros no litoral de Santa Catarina, ao norte de Laguna, e do Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, entre as manhãs dos dias 18 e 19 de maio.

Em alto mar, são esperados ventos entre 60 km/h e 120 km/h entre Arroio Chuí e Laguna até 300 milhas náuticas distante da costa. Há risco à navegação, pois as rajadas podem passar dos 120 km/h, segundo a Marinha do Brasil.


Compartilhe: