RS registra 32 focos de raiva herbívora em 16 municípios

Em 2021, neste mesmo período, foram nove focos em sete cidades gaúchas.

Compartilhe:
Morcegos podem se instalar em forros de casa, cavernas, fornos de fumo, casas abandonadas, árvores ocadas e nos bueiros de ferrovias e rodovias. Foto: Divulgação/Seapdr

 

O Rio Grande do Sul registrou 32 focos de raiva herbívora em 16 municípios de janeiro até a primeira semana de maio deste ano, segundo a Seapdr (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural).

Em 2021, neste mesmo período, foram nove focos em sete cidades gaúchas. Conforme a Seapdr, as áreas de maior concentração são a Fronteira Oeste e a Região Metropolitana.

“As questões climáticas registradas no Rio Grande do Sul nos últimos meses, como a seca num primeiro momento e agora as enchentes, causam um grande estresse nas colônias, gerando maiores migrações de animais e aumentando o número de focos. Pela nossa experiência ao longo dos anos, a chegada do inverno vai aumentar o número de casos”, alerta o coordenador do Programa de Controle da Raiva Herbívora da Seapdr, Wilson Hoffmeister.

Hoffmeister reforça a importância da participação dos produtores neste controle dos focos, fazendo a notificação dos casos de agressão de morcegos nos animais diretamente nas inspetorias e escritórios de Defesa agropecuária, da Seapdr.

Municípios com casos registrados em 2022: Bossoroca, Caçapava do Sul, Caiçara, Candiota, Cerro Grande do Sul, Eldorado do Sul, Glorinha, Gravataí, Itacurubi, Novo Hamburgo, Santa Margarida do Sul, Santo Antônio das Missões, Santiago, São Lourenço do Sul, Unistalda e Vespasiano Corrêa.

Conforme a Seapdr, em 2021, foram registrados 48 focos de raiva herbívora em 31 municípios, a maioria de bovinos, sendo apenas um caso de ovino e um de equino.


Compartilhe: