SBC reforça a importância das atividades físicas para evitar doenças do coração

Em comemoração ao Dia Mundial da Atividade Física, a SBC salienta a importância dos exercícios, principalmente para o sistema cardiovascular e cardiorrespiratório.

Compartilhe:
Foto: Banco de dados/Canva

 

A atividade física é fundamental para o pleno desenvolvimento humano e deve ser praticada em todas as fases da vida e em diversos momentos, como preconiza o Guia de Atividade Física para a População Brasileira.

Em comemoração ao Dia Mundial da Atividade Física (6 de abril), a SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) salienta a importância dos exercícios, principalmente para o sistema cardiovascular e cardiorrespiratório.

A atividade física reduz a probabilidade de diabetes, melhora o controle da hipertensão arterial e a saúde mental, aumenta a força, a flexibilidade das articulações, a coordenação e o equilíbrio.

“Quanto mais envelhecemos, mais benefícios temos com as atividades físicas. Por isso, elas devem fazer parte da nossa vida, diariamente”, ressaltou Valdir Pereira Aires, membro do Departamento de Ergometria, Exercício, Cardiologia Nuclear e Reabilitação Cardiovascular da SBC.

Especificamente sobre o coração, a atividade física melhora a capacidade cardiorrespiratória, ou seja, quem pratica regularmente reduz a probabilidade de doenças vasculares e aumenta a expectativa de vida.

O exercício físico também aumenta a vasodilatação arterial, reduz a possibilidade de deposição de gorduras nos vasos e diminui a inflamação da parte interna dos vasos (endotélio), ajudando a evitar o processo de aterosclerose.

“O exercício físico faz com que tenhamos o coração mais saudável, com maior força de contração do ventrículo esquerdo, contribuindo, dessa forma, para a obtenção de maior longevidade e melhor qualidade de vida”, reforçou Aires.

E no caso de doenças? Elas poderão impedir a realização de atividade física? Para Aires, no caso de doenças agudas, não existe dúvida que o exercício deverá ser evitado, considerando que, no curso desse tipo de enfermidade, todas as energias do organismo se voltam para saná-la.

Sobre as doenças crônicas em geral, incluindo as cardíacas, o médico cardiologista deverá avaliar a integridade do sistema cardiovascular através de uma avaliação pré-participação para os exercícios físicos, em uma tentativa de identificar e afastar condições que sejam consideradas “gatilhos” que imporiam riscos para o desenvolvimento de arritmia cardíaca  ou isquemia miocárdica.

Portanto, é necessário realizar uma prévia avaliação cardiológica ao retorno das atividades físicas, para estabelecer limites seguros.

Gripe ou covid-19

Em casos de gripe ou covid-19, o exercício físico não deve ser feito durante o curso da doença.

“Geralmente após 14 dias de covid-19 de forma leve sem sintomas, ou 14 dias após a pessoa ter tido um teste positivo e continuado sem sintomas, o retorno aos exercícios físicos deverá ser precedido por uma avaliação cardiológica, inclusive para afastar qualquer sinal sugestivo de miocardite. Confirmando a ausência de qualquer alteração cardiológica, o retorno às atividades físicas será permitido, de forma leve e gradual”, recomendou Aires.

O cantor e compositor Adelmario Coelho é um exemplo de como a atividade física traz benefícios para a saúde. Ele pratica caminhada, corrida e musculação, com apoio de um cardiologista e um personal trainer.

“A atividade física é minha meta de vida, é a primeira missão ao me levantar pela manhã. Se não fosse por ela, eu seria um doente. O exercício me dá muita força, disposição e entusiasmo para subir ao palco e fazer três horas de show”, contou.

Adelmario pratica atividades físicas com a mulher e os filhos e também estimula os amigos. “Quando eu encontro alguém desanimado, brinco que vou oferecer um tênis para ele começar a caminhar ou ir para academia, porque eu conheço os resultados”, relatou.

Sedentarismo

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde ), para sair da faixa de sedentarismo, o ideal é praticar de 150 a 300 minutos de exercícios físicos moderados por semana, como andar na esteira a 6 km por hora ou jogar uma partida de tênis, em dupla.

No caso de exercícios físicos vigorosos, a recomendação é a prática de 75 a 150 minutos por semana, como correr ou pedalar na bicicleta ergométrica por 30 minutos.

“A periodicidade deve ser no máximo em dias alternados, mas eu aconselho que se faça pelo menos cinco vezes na semana. Importante lembrar que, além dos exercícios físicos aeróbicos, deve-se praticar exercícios físicos resistidos, chamados de musculação, que aumentam a força e a massa muscular, contribuindo para o aumento da densidade óssea e reduzindo a probabilidade de quedas e fraturas, principalmente nos idosos”, contou Aires.

As recomendações são essas, mas o grande desafio é motivar as pessoas. “Tenho feito isso no meu consultório diariamente e, infelizmente, no próximo retorno anual, o paciente confessa que não seguiu as minhas orientações, continuando ainda na condição de sedentário. A missão da Comissão de Promoção da Saúde Cardiovascular da SBC é, justamente, informar a comunidade sobre os benefícios dos exercícios físicos e os malefícios do comportamento sedentário”, ressaltou o médico.

“As pessoas precisam avaliar se estão cuidando da sua saúde apropriadamente. Neste Dia Mundial da Atividade Física, entre outras ações, a SBC vai divulgar vídeos para levar essa mensagem à sociedade. Se a atividade física fosse praticada, muitas mortes seriam evitadas”, completou Aires.

 


Compartilhe: