Rússia ataca comboio e teatro usado como refúgio em Mariupol, diz Ucrânia

Ainda não se sabe a quantidade de vítimas nas duas ações. Rússia diz que ataques foram de falsa bandeira, realizados por nacionalistas ucranianos

Compartilhe:

A cidade de Mariupol, na Ucrânia, foi palco de mais ataques russos contra civis nesta quarta-feira (16), denunciam as autoridades locais. Entre os alvos, estariam um comboio de pessoas que tentavam fugir do município sitiado e o teatro do centro da cidade, onde centenas procuravam abrigo após perderem suas casas.

Durante a manhã, o Exército ucraniano informou que um ataque foi realizado contra carros de civis que tentavam fugir de Mariupol. Ao menos, cinco pessoas ficaram feridas. Cercada desde o início da guerra, em 24 de fevereiro, a cidade só teve um corredor humanitário aberto na última segunda-feira (14).

Já no início da noite (pela hora local), o Teatro Dramático foi alvo de bombardeio. Em seu Twitter, o ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, postou uma imagem do antes e depois que mostra a estrutura em ruínas.

“Outro crime de guerra horrível em Mariupol. Um ataque massivo da Rússia no Teatro Dramático onde centenas de inocentes civis se escondiam. O prédio agora está totalmente destruído. Não há como os russos não saberem que esse era um abrigo civil. Salve Mariupol! Parem os criminosos de guerra russos”, escreveu Kuleba.

A notícia também foi confirmada pelo Conselho Municipal de Mariupol, citada pelo site Ukrinform, que ressaltou que “ainda é impossível avaliar a dimensão desse ato horrível e desumano porque a cidade continua a ser bombardeada em suas áreas residenciais”. Não se sabe quantas pessoas estavam escondidas no local no momento do ataque, se há mortos ou feridos.

Por outro lado, a Rússia emitiu propaganda em diversas redes sociais, afirmando que o ataque seria uma ação de falsa bandeira, realizada por nacionalistas ucranianos. Segundo a versão do Kremlin, o local teria sido esvaziado antes do bombardeio e que a ação serviria para vitimização da Ucrânia perante a comunidade internacional.

Novos ataques em Zaporíjia

Além das ações na cidade em si, o chefe da administração militar regional, Oleksandr Starukh, informou que a Rússia também atacou infraestruturas civis no sul de Zaporíjia, localidade para onde muitos moradores de Mariupol estão fugindo.

Os ataques atingiram um estação ferroviária e um parque público, mas a princípio, nenhuma vítima foi confirmada. Mariupol vive uma das situações mais dramáticas da guerra na Ucrânia, estando sitiada pelas tropas russas desde o início do conflito, em 24 de fevereiro. São cerca de 350 mil cidadãos presos na cidade.

Mais de 2,5 mil pessoas já morreram no município, que fica em uma localidade estratégica situada às margens do Mar de Azov, no sudeste do país. Além dos militares russos, Mariupol também está cercada pelos rebeldes pró-Rússia da autoproclamada república de Donetsk.


Compartilhe: