Polícia investiga morte de advogado após agressões em Rio Grande

Sergio Antonio Maidana de Freitas, conhecido como Barbará, de 76 anos, teria sido agredido por um ex-cliente. 

Compartilhe:
Sergio Antonio Maidana de Freitas, conhecido como Barbará, tinha 76 anos. Foto: arquivo pessoal / Divulgação

Um advogado criminalista morreu quase um dia após ser agredido em Rio Grande, na região Sul do Estado, neste sábado (12). Sergio Antonio Maidana de Freitas, conhecido como Barbará, de 76 anos, teria sido espancado por um ex-cliente.

As agressões, conforme a Polícia Civil, teriam ocorrido na tarde de sexta-feira (11). Barbará, como era conhecido na cidade, chegou a ser atendido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu após atendimento na Santa Casa de Rio Grande. Ele teria sofrido vários socos contra o abdômen.

O autor das agressões que levaram à morte do advogado seria um ex-cliente do criminalista. O suspeito já foi identificado, mas não foi preso. A identidade dele é preservada pela Polícia Civil em respeito à Lei de Abuso de Autoridade, de 2019. A motivação seria por causa de um processo em que era representado pelo advogado.

Câmeras de videomonitoramento estão sendo buscadas para identificar como ocorreu o caso. Por exemplo, se houve ameaça antes da agressão. Testemunhas também serão ouvidas.

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Rio Grande do Sul manifestou repúdio à violência, a qual chamou de “crime bárbaro” e “inaceitável”. “Toda ameaça, constrangimento ou ataque aos advogados e advogadas, soterra as bases da democracia e comprometem o Estado de Direito, devendo ser prontamente reprimidas pelas autoridades”, afirmou o presidente da OAB/RS, Leonardo Lamachia. Leia a íntegra abaixo:

Nota da OAB/RS

Nota de pesar – Assassinato do advogado Sergio Antonio Maidana de Freitas

A Ordem dos Advogados do Brasil – Rio Grande do Sul, conjuntamente com sua Subseção de Rio Grande, manifesta seu pesar e repúdio pelo assassinato do advogado Sergio Antonio Maidana de Freitas, ocorrido no sábado (12). A OAB/RS se solidariza com os familiares e amigos da vítima, assim como com toda a advocacia gaúcha neste momento de luto. A Ordem gaúcha também requer providências às autoridades responsáveis para que as circunstâncias sejam esclarecidas e efetivada a devida punição aos responsáveis pelo ato criminoso.

“Toda ameaça, constrangimento ou ataque aos advogados e advogadas, soterra as bases da democracia e comprometem o Estado de Direito, devendo ser prontamente reprimidas pelas autoridades”, afirmou o presidente da OAB/RS, Leonardo Lamachia.

Desta forma, a Ordem gaúcha já oficiou às autoridades policiais, assim como ofereceu auxílio e acompanhará as investigações para que, com celeridade, o caso seja devidamente apurado e os autores deste crime bárbaro e inaceitável sejam punidos.


Compartilhe: