Pedalada na Orla do Guaíba pediu o fim da violência contra as mulheres

Edegar Pretto, coordenador do Comitê Gaúcho Eles Por Elas, da ONU Mulheres, convocou os homens para serem agentes da transformação

Compartilhe:
Foto: Brayan Martins

Uma pedalada alusiva ao aniversário de 250 anos de Porto Alegre chamou a atenção da sociedade para a urgência da retomada de políticas públicas para combater a violência contra a mulher. O passeio foi idealizado pelo Comitê Gaúcho Eles Por Elas, da ONU Mulheres e foi realizado neste sábado (26) na Orla do Guaíba. Entre os participantes também estavam vereadores e vereadores, deputados e deputadas. Ao final do ato, teve apresentação musical do Grupo Samba de Rolê.

O evento contou com a participação de cerca de 300 pessoas de Porto Alegre e do interior do estado. Elas carregavam em suas bicicletas balões rosas e pretos e algumas usavam camisetas com a frase “violência contra mulher, NÃO!”, para chamar a atenção para a causa. Durante a pedalada, gritavam a frase “a violência contra a mulher não é o mundo que a gente quer”. Após, foi realizado um ato de conscientização nas proximidades da Usina do Gasômetro.

Edegar Pretto, coordenador do Comitê, convocou os homens para serem agentes da transformação e refletirem sobre o comportamento machista. Segundo ele, a mudança cultural nasce da união de vozes de pessoas que se preocupam em combater a violência. “As atitudes para um mundo de igualdade começam por atos individuais e coletivos”, apontou. O deputado estadual ainda observou que as estruturas públicas de proteção às mulheres têm reduzido, e que o poder público precisa enfrentar esse problema com o orçamento. Pretto é pré-candidato ao Palácio Piratini pelo PT (Partido dos Trabalhadores).

A atividade ainda pautou a necessidade de recuperar políticas públicas nacionais para oferecer serviços de atendimentos completos e especializados, de referência, segurança e assistência judiciária para as mulheres vítimas. Outra iniciativa é o Mulher: Viver Sem Violência, considerado o maior programa da história do país para políticas para as mulheres, com grandes montantes de investimentos, além do enfrentamento das desigualdades econômicas e sociais para que elas tenham autonomia.

Sobre as políticas a serem retomadas no RS, sobretudo para diminuir os índices de feminicídios, está a Rede Lilás e a reabertura imediata do Centro de Referência Estadual da Mulher Vânia Araújo, que tinha uma sede própria, mas o atual governo havia passado para um estacionamento no centro de Porto Alegre e agora ocupa uma sala no Centro Administrativo do Estado, sem estrutura adequada e com difícil acesso. O evento deste sábado também destacou que é fundamental ter uma rede de atendimento eficaz, com articulação entre os poderes e serviços.

Crimes contra a mulher

Conforme dados da SSP (Secretaria de Segurança Pública), os feminicídios aumentaram 50% em fevereiro deste ano no estado, com nove vítimas, em comparação com o mesmo mês do ano passado, quando foram registrados seis casos. Dos 96 feminicídios ocorridos em 2021, somente 10 possuíam medida protetiva de urgência, o que evidencia a necessidade de garantir o amparo das mulheres que sofrem violência.

A cabeleireira Mara Terezinha da Silva veio de Imbé, no Litoral, para participar da pedalada. Para ela, o evento é uma oportunidade que representa um grito das mulheres sobre empoderamento e pelo fim da violência. “Nós, mulheres, todos os dias sofremos algum tipo de agressão, por cor, por assédio. Então, pedalar aqui tem esse significado muito importante de luta”, disse.

Télia Negrão, da coordenação nacional do Levante Feminista contra o Feminicídio, alertou que a violência contra as mulheres não pode ser naturalizada, e que precisa ser prevenida com políticas públicas. “Essa mudança cultural é fundamental. Mas é importante que as mudanças sejam em conjunto com a sociedade, nesta luta que não é só das mulheres”, argumentou.


Compartilhe: