Vigilância emite alerta epidemiológico sobre casos autóctones de dengue em Porto Alegre

A confirmação de três casos autóctones de dengue, somada às condições climáticas favoráveis à transmissão da doença, deixam Porto Alegre em alerta.

Compartilhe:
Porto Alegre, RS – 24/02/2022: Operações com inseticida visam diminuir a população de mosquitos adultos, diminuindo o risco de transmissão do vírus. Foto : Patrícia Coelho / SMS PMPA

 

Após três casos autóctones de dengue, somada às condições climáticas favoráveis à transmissão da doença, levou a EVDT (Equipe de Vigilância de Doenças Transmissíveis)  a emitir alerta epidemiológico em Porto Alegre nesta quinta-feira (24).

No documento, a EVDT alerta profissionais de saúde para suspeita de arboviroses (doenças transmitidas por insetos), durante o atendimento a casos com sintomas compatíveis com as doenças, como febre com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: manchas vermelhas na pele, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações, dor atrás dos olhos, náuseas, vômitos, leucopenia e vermelhidão nos olhos.

Segundo a enfermeira Raquel Rosa, chefe da Equipe da Diretoria de Vigilância em Saúde, os profissionais também devem considerar a “similaridade dos sintomas com a covid-19, que pode mascarar a suspeita de arbovirose, atrasando o diagnóstico e a adoção oportuna das medidas de controle ambiental”.

Em 2022, até a Semana Epidemiológica 07 (2/01 a 19/2), 23 casos suspeitos de dengue foram notificados entre residentes de Porto Alegre. Destes, três casos foram confirmados, todos autóctones (contraídos na cidade).

Também houve a confirmação de um caso de chikungunya, importado de Manaus. Em 2021, no mesmo período, foi confirmado um caso importado de dengue. Em todo o ano passado, foram confirmados em Porto Alegre 83 casos de dengue, sendo 65 autóctones e 18 importados.

Nesta quinta-feira, a Vigilância Ambiental da DVS realizou três operações para bloqueio de transmissão viral, com aplicação de inseticida, em parte dos bairros Morro Santana, Jardim Carvalho e Bom Jesus, locais onde houve a confirmação dos casos.

“Chamada de ‘controle químico’, a operação com inseticida visa diminuir o risco de transmissão de vírus das doenças. Não se trata de uma ação para ‘desinsetização’ de alguma área”, disse a Prefeitura de Porto Alegre


Compartilhe: