EUA e Europa concordam em banir do Swift parte dos bancos russos; entenda como o sistema funciona

Cada vez mais países apoiam a decisão de retirar russos do sistema por causa da invasão da Ucrânia.

Compartilhe:

Os Estados Unidos, o Canadá e os principais países europeus, incluindo a Alemanha, concordaram em remover “bancos russos selecionados” do sistema de pagamento Swift. O anúncio foi realizado, no início da noite deste sábado (26), no horário de Brasília, pela presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

“Em segundo lugar, paralisaremos os ativos do banco central da Rússia. Isto congelará suas transações. E tornará impossível para o Banco Central a liquidação de seus ativos”, acrescentou a representante do grupo.

“À medida que as forças russas lançam seu ataque a Kiev e outras cidades ucranianas, estamos decididos a continuar impondo custos à Rússia que isolarão ainda mais a Rússia do sistema financeiro internacional e de nossas economias. Vamos implementar essas medidas nos próximos dias”, disse a Comissão Europeia.

A declaração conjunta no sábado oficializou a mudança, embora poucos detalhes tenham sido fornecidos sobre quando a remoção do Swift ocorrerá e quais bancos russos serão visados.

Os países também disseram que tomariam medidas “para limitar a venda de cidadania – os chamados passaportes dourados – que permitem que russos ricos conectados ao governo russo se tornem cidadãos de nossos países e tenham acesso aos nossos sistemas financeiros”.

Eles também anunciaram planos para lançar uma “força-tarefa transatlântica” que garantirá que as sanções aos russos permaneçam efetivas, garantindo a implementação das sanções financeiras, identificando e congelando os ativos de indivíduos e empresas afetadas.

Entenda o que é o Swift

Mas, o que é o Swift? A Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais – a sigla em inglês quer dizer Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication – é um sistema financeiro que permite transações e pagamentos internacionais de maneira padronizada. É muito usado para importações e exportações, pois simplifica todos os processos de compra e venda.

O Swift é o principal mecanismo de financiamento do mundo, tendo sido criado em 1973 na Bélgica. Atualmente, 11 mil bancos de cerca de 200 países fazem parte do sistema.

Além de facilitar as transferências e emissão de ordens de pagamentos, o Swift tem uma alta capacidade de troca de mensagens simultâneas – cerca de 40 milhões por dia, segundo dados divulgados em 2020. Também é bastante fácil localizar os bancos participantes, pois todos são identificados por siglas.

O Swift não faz o pagamento em si, mas permite que as quitações sejam feitas diretamente entre instituições financeiras de todo o mundo. As informações são trocadas em tempo real e embaralhadas por criptografia para manter a segurança da transação. O sistema em si ganha até 5% em taxas de acordo com o valor da operação.

Caso sejam excluídos, os russos perderiam essa capacidade de negociar duas das principais fontes de renda do país, o que traria resultados possivelmente catastróficos para sua economia. No entanto, muitos governos ainda não apoiam a decisão porque isso também prejudicaria seus próprios territórios por conta da interrupção de fornecimento, especialmente, do gás russo.

Mesmo que fossem totalmente retirados do Swift, os russos ainda poderiam processar esse pagamento de outras formas próprias, mas é natural que o volume de transações despenque por conta das dificuldades logísticas e do aumento de custos por estar fora do sistema. Outra opção é usar o sistema chinês de pagamentos, que contorna o sistema Swift e é próprio do país asiático.


Compartilhe: