Sobe para 10 o número de mortos após desabamento de rocha em Capitólio, Minas Gerais

Buscas foram retomadas na madrugada deste domingo e devem prosseguir enquanto houver luz do dia.

Compartilhe:

Chegou a dez o número de mortes causadas pelo desabamento de uma rocha em uma região de cânions, em Capitólio, Minas Gerais. Neste domingo (9), foram localizados mais três corpos, que foram retirados do local e encaminhados para a realização de perícia. A pedra gigante caiu diretamente sobre duas lanchas que passeavam pelo lago de Furnas por volta do meio-dia e meia de ontem (8).

Conforme o CBMMG (Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais), a primeira vítima resgatada hoje foi um homem, já retirado e encaminhado a um Posto Médico Legal para identificação e posterior liberação para o rito funerário. O corpo dele foi encontrado submerso por mergulhadores que estão atuando na operação de busca. A visibilidade no lago de Furnas é de cerca de dois metros, o que permite que os mergulhadores façam uma varredura no fundo do corpo d’água.

A operação é complexa, pois os bombeiros fazem buscas a “segmentos corpóreos” devido às circunstâncias do desabamento da parede de rochas. As buscas devem prosseguir enquanto houver luz do dia.

Para os bombeiros, neste momento, não há mais pessoas consideradas desaparecidas. No entanto, os trabalhos na região vão prosseguir para que todas as eventuais vítimas ainda submersas sejam retiradas da água. Para a operação, são usadas quatro lanchas e três motos aquáticas da Marinha do Brasil e do CBMMG no local de busca, que está delimitado.

Ao menos oito das dez vítimas pertencem à mesma família, que fazia turismo na região quando ocorreu o desabamento. Até o momento, apenas o aposentado Julio Borges Antunes, 68 anos, foi formalmente identificado. As outras vítimas são de São Paulo e Minas Gerais. Entre elas está um adolescente de 14 anos e seu pai, cujas identidades não foram fornecidas pela Polícia Civil de Minas Gerais.

Ao menos 23 pessoas ficaram feridas. A maior parte foi atendida e liberada. Oito pessoas foram internadas, em diferentes quadros de saúde. Ao menos duas delas tiveram fraturas e foram encaminhadas para a Santa Casa de Piumhi, município a 23 quilômetros de Capitólio. Outras quatro, com ferimentos leves, estão na Santa Casa de São José da Barra. A Santa Casa de Passos recebeu dois pacientes.

Desastre ocorreu por volta do meio-dia

O primeiro chamado sobre o acidente ocorreu pouco após às 12h30 de ontem. Um vídeo que circula pela internet – e cuja veracidade foi confirmada pelos Bombeiros – mostra o momento em que uma parede de rochas dos cânions se desprende, tomba e atinge as lanchas. Ao menos duas embarcações foram atingidas em cheio. O desabamento provocou o deslocamento da massa de água e pedras, que avançou sobre outros barcos que estavam próximos das Escarpas do Lago, em Capitólio, ferindo outras pessoas.

Segundo o Corpo de Bombeiros, uma tromba d’água teria atingido a região, desestabilizando parte da parede do cânion. As pedras se soltaram e desabaram na água do lago de Furnas, que é artificial.

O estado de Minas Gerais vem sofrendo com fortes chuvas constantes há dias consecutivos. Na manhã deste sábado, a Defesa Civil do estado havia alertado para a possibilidade de “cabeça d’água” nos municípios de Capitólio, São João Batista do Glória e São José da Barra. “Evite cachoeiras no período de chuvas”, dizia a postagem nas redes sociais.

O lago de Furnas, em Capitólio, é muito procurado por turistas de todo o país e os passeios de barcos entre os cânions são a atração mais desejada. Ao longo do caminho, com lanchas e embarcações que são alugadas na própria área de entrada do local, os visitantes passeiam por diversos lagos, sendo que alguns deles incluem cachoeiras. A água também é bastante profunda e apta para mergulhos.


Compartilhe: