Rio Grande do Sul tem transmissão comunitária da variante Ômicron do coronavírus

Compartilhe:

A variante Ômicron do coronavírus chegou e se espalha rápido pelo Rio Grande do Sul. Hoje (7), a SES (Secretaria Estadual da Saúde) declarou, por meio do Centro de Vigilância Sanitária, a transmissão comunitária da cepa identificada por cientistas da África do Sul na metade de novembro.

Conforme a Vigilância Sanitária, já foram identificados 255 casos confirmados ou sugestivos para essa linhagem, em 34 municípios gaúchos ou em visitantes ao RS testados no Estado. O conceito de transmissão comunitária ou local é definido quando o contágio entre pessoas ocorre no mesmo território, sem histórico de viagem ou sem que seja possível definir a origem da transmissão.

A variante foi identificada originalmente na África do Sul e é apontada como a responsável pelo súbito aumento de casos em vários países. Esse aumento nos casos também já é percebido no RS nas últimas semanas. A declaração por parte da Secretaria da Saúde alerta para a importância de serem mantidas e reforçadas as medidas de prevenção: completar o esquema vacinal e a doses de reforço, uso de máscara e evitar aglomerações.

Entre os casos identificados, 21 foram confirmados por sequenciamento completo, método mais preciso pelo qual é feita a leitura de toda a cadeia genômica do vírus. Os demais 228 são considerados sugestivos, caracterizados pelas amostras que tiveram o diagnóstico pelo exame de RT-PCR, que identifica parcialmente a variante ou aqueles casos que foram confirmados por serem de pessoas com sintomas e que sejam contato desses casos sugestivos.

Aumento na proporção dos casos de ômicron no Lacen

O Lacen/RS (Laboratório Central do Estado) é um dos locais que realiza a testagem para a identificação das linhagens do coronavírus (Sars-CoV-2). No local, foi perceptível um aumento na proporção de ômicron para as demais variantes nos últimos dias, conforme a Secretaria da Saúde.

Em 41 amostras coletadas entre os dias 21 e 31/12, 80% foram sugestivas para a ômicron (por RT-PCR de inferência). No mesmo número de testes coletados entre os dias 2 e 4 de janeiro, a proporção já passou para 95%.

Fora o Lacen/RS, outros laboratórios no Estado já possuem capacidade para essa análise sugestiva ou para o sequenciamento completo, como o Centro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CDCT, que também faz parte do Cevs), Feevale, UFRGS, UFSM e Hospital Moinhos de Vento. Esses locais realizam a testagem dos casos por amostragem, já que por ser um exame mais complexo e com insumos mais específicos, não há a capacidade para quem sejam analisadas todas amostras de pessoas com covid-19.

Casos de ômicron confirmados e sugestivos no RS (até 07/01/21)

  • Campo Bom: 3
  • Canela: 3
  • Canoas: 15
  • Carazinho: 1
  • Dois Irmãos: 8
  • Esteio: 7
  • Estrela: 1
  • Garibaldi: 3
  • Gramado: 6
  • Gravataí: 1
  • Guaíba: 2
  • Itaara: 1
  • Maratá: 1
  • Montenegro: 1
  • Novo Hamburgo: 6
  • Osório: 1
  • Pelotas: 4
  • Piratini: 1
  • Portão: 1
  • Porto Alegre: 20
  • Progresso: 1
  • Santa Cruz do Sul: 1
  • Santa Maria: 18
  • Santana do Livramento: 3
  • Santiago: 1
  • São Leopoldo: 5
  • São Sebastião do Caí: 1
  • Sapiranga: 3
  • Sapucaia do Sul: 2
  • Sarandi: 1
  • Tramandaí: 1
  • Ubiretama: 1
  • Venâncio Aires: 1
  • Viamão: 3
  • Fora do RS: 15
  • UFSM*: 111 analisados na UFSM em Santa Maria (a se confirmar as cidades de origem)

Compartilhe: