Balanço aponta aumento nos números de salvamentos e de queimados por água-viva no RS

De acordo com o Corpo de Bombeiros, em comparação com a operação anterior, os números de salvamentos registraram um aumento de 79%.

Compartilhe:

O CBMRS (Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul) divulgou, nesta terça-feira (18), um balanço sobre os primeiros 30 dias de Operação Verão.

O balanço aponta aumento nos números de salvamentos e de queimados por água-viva no Litoral gaúcho. De acordo com o Corpo de Bombeiros, em comparação com a operação anterior, os números de salvamentos registraram um aumento de 79%, totalizando 250 intervenções do tipo até essa terça.

Ainda, foram 115.126 atividades preventivas no período, o apitaço. Em comparação com o ano anterior, o aumento foi de 20%.

“Seguimos orientando a população para que procure banhar-se em áreas com a presença de guarda-vidas, pois essas áreas proporcionam a maior segurança do veranista”, ressaltou o subcomandante-geral do CBMRS, Coronel Otávio Polita Filho.

Com base nas estatísticas é possível traçar o “perfil do afogado”. Segundo os números, 31% dos salvamentos são de crianças de 6 a 15 anos, 14% de homens de 16 a 25 anos, e 11% de mulheres entre 16 e 20 anos, e 31 a 40 anos. O horário de maior número de ocorrências deste tipo é das 14h30min às 19h, representando 59% das ocorrências.

Outro número que chama atenção é o de queimaduras por água-viva ou caravelas, que já são presença certa no litoral gaúcho. Foram 12.483 nos primeiros 30 dias de operação, um aumento de 23%. “Especialistas atribuem a presença dos animais à temperatura da água, que está mais quente”, afirma.

Também chamou atenção do comando da Operação, o grande índice de pessoas encontradas na beira da praia. Foram 370 casos até o momento.

“O grande número de pessoas encontradas, principalmente crianças, liga um sinal de alerta para os pais e responsáveis. O aumento de 205% em comparação com o período anterior demonstra a distração, atribuída em muitos casos às redes sociais e celular nas areias gaúchas”, ressalta o CBMRS.

 


Compartilhe: