Governo do RS autoriza volta do público aos estádios

O Gabinete de Crise decidiu autorizar o retorno do público aos estádios em competições esportivas, limitado a 40% da capacidade por setor

Compartilhe:

Pela terceira semana consecutiva, o governo do Rio Grande do Sul decidiu pela manutenção do atual quadro do Sistema 3As, sem emissão de Avisos ou Alertas.

A divulgação foi feita após reunião do Gabinete de Crise nesta quarta-feira (1º), com base no monitoramento de indicadores e recomendações feitos pelo GT Saúde.

Além disso, o Gabinete de Crise decidiu autorizar o retorno do público aos estádios em competições esportivas, limitado a 40% da capacidade por setor e com teto de 2,5 mil pessoas, além de um cronograma de liberações para eventos sociais.

“As decisões levam em conta os dados positivos monitorados no Rio Grande do Sul, principalmente o fato de que o número de internados suspeitos ou confirmados com Covid-19 em leitos clínicos e de UTI retomou tendência de queda, acentuando o ritmo de redução na última semana”, destacou o governo do Estado.

Até o início da tarde desta quarta, eram 737 internados em leitos clínicos no Estado – o menor número desde 15 de junho de 2020 – e 706 pacientes confirmados ou com suspeita da Covid em leitos de UTI – menor desde 9 de julho do ano passado.

Além disso, a partir de 1° de outubro, ficam liberadas as pistas de dança em festas infantis, sociais e em eventos de entretenimento, mas não em shows e casas noturnas.

“Estamos avançando nas liberações e redução das restrições devido à melhora no cenário da pandemia no Rio Grande do Sul e por sermos um dos Estados que mais vacina no país, estando sempre no topo do ranking. A decisão sobre os eventos, assim como outras flexibilizações, serão reavaliadas conforme a gente atingir a meta de completar o esquema vacinal de pelo menos 70% da nossa população, que é o percentual definido por especialistas no mundo todo para a chamada imunidade coletiva”, afirmou o governador Eduardo Leite.

Todas as mudanças serão detalhadas em decreto e só estarão válidas após publicação no Diário Oficial.


Compartilhe: