Perícia busca determinar causa de explosão que matou três pessoas em Guaporé

Compartilhe:

Uma perícia será realizada nesta sexta-feira (9) para identificar a causa da explosão que matou três pessoas em Guaporé, na Serra gaúcha, na tarde de ontem (8). As vítimas são dois militares do Exército Brasileiro e um funcionário da empresa onde seria feito o descarte das dinamites. Outras cinco pessoas ficaram feridas. Mais de 700 quilos de explosivos haviam sido apreendidos em uma operação conjunta da Polícia Civil e do Exército.

Ontem, técnicos do IGP (Instituto-Geral de Perícias) estiveram no local. No entanto, para preservar a segurança e garantir a luminosidade necessária, o trabalho teve que ser paralisado. Houve a necessidade de destruir os explosivos que não haviam detonado. Segundo apuração preliminar do IGP a primeira detonação aconteceu durante a verificação do material no local. Outra explosão matou dois militares do Exército e um funcionário da empresa.

O objetivo da perícia é identificar os explosivos que causaram o acidente e determinar o raio de projeção dos estilhaços. Morreram no acidente o 1º Sargento Roberto Czremeta, do 3º Regimento de Cavalaria de Guarda; o 3º Sargento Diego Piedade de Souza, do 3º Batalhão de Comunicações; e Irineu Ghiggi, da empresa Britagem Mig Britas.

A empresa de britagem não era alvo da operação policial que apreendeu os materiais explosivos. Ela teve apenas a área requisitada para a detonação do material.

A operação Explosive

A operação que resultou na apreensão dos explosivos ocorreu na manhã de ontem (8). Mais de 740 quilos de artefatos foram apreendidos. Os policiais comprovaram que uma empresa da região que atua no ramo de terraplanagem adquiria artefatos explosivos em quantidade maior do que a necessária para a obra.

Os explosivos comprados em excesso eram guardados e utilizados mais tarde em outros projetos de forma irregular, o que reduzia custos com frete e escolta, além de que as informações sobre as novas explosões não eram prestadas ao Exército nem à Polícia Civil como prevê a lei. A Polícia averiguou ainda que a quantidade sobressalente de artefatos explosivos era armazenada de forma irregular em diferentes locais ligados à empresa.

Nota de pesar do Comando Militar do Sul

NOTA À IMPRENSA – Nr 2
Porto Alegre, 8 de julho de 2021.

O Comando Militar do Sul (CMS) lamenta informar que, na tarde de hoje, durante uma operação destinada à destruição de explosivos apreendidos, ocorreu um
acidente, em uma pedreira situada no município de Guaporé – RS, que resultou no falecimento do 1º Sargento Roberto Czremeta (3º Regimento de Cavalaria de
Guarda), do 3º Sargento Diego Piedade de Souza (3º Batalhão de Comunicações) e do Senhor Irineu Ghiggi (da empresa Britagem Mig Britas).

Um Inquérito Policial Militar foi instaurado para apurar as circunstâncias do fato.

Neste momento de tristeza e pesar, o Exército Brasileiro, por intermédio do Comando Militar do Sul, presta condolências aos familiares e amigos enlutados.

Nota de pesar da Polícia Civil

Nota de pesar

Com profundo pesar, que a Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul lamenta as mortes de Irineu Antônio Ghiggi e dos militares Sgto. Diego Piedade de Souza e Sgto. Roberto Czeremeta, pertencentes ao Exército Brasileiro, ocorridas nesta quinta-feira (08), em Guaporé, durante a detonação dos explosivos apreendidos em decorrência da Operação Explosive, realizada pela Delegacia de Polícia de Proteção ao Meio Ambiente (DEMA), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC).

Nossa solidariedade aos familiares e amigos neste momento de tristeza pela perda irreparável.


Compartilhe: