Vacina contra gripe: imunização de idosos com mais de 60 anos e professores começa nesta terça-feira

A etapa é destinada a idosos com mais de 60 anos e professores. Cerca de 33 milhões de pessoas deverão ser imunizadas nessa fase.

Compartilhe:

Começa nesta terça-feira (11) a segunda fase da campanha para imunização contra o vírus Influenza. A aplicação da vacina contra a gripe é destinada a idosos com mais de 60 anos e professores nesta etapa. Cerca de 33 milhões de pessoas deverão ser imunizadas. Conforme o Ministério da Saúde, a campanha vai até o dia 8 de junho.

A vacinação contra a gripe ocorre todo o ano no Brasil. O motivo é a mutação da família de vírus Influenza, que possui várias cepas: H1N1, H3N2, Brisbane, entre outras.

Ao tomar o imunizante contra o vírus Influenza, o sistema imunológico é reforçado. A vacina contra a gripe tem 60% a 70% de eficiência e evita que o paciente contraia o Influenza e o coronavírus ao mesmo tempo.

A vacina contra a gripe pode levar a algumas reações leves que desaparecem em 48 horas. A maior parte das pessoas que têm sintomas – entre 15 e 20% dos vacinados – apresentam dor no local da aplicação, inchaço, vermelhidão e febre leve. Todas essas são reações comuns, esperadas e que podem durar até dois dias.

Como toda vacina, há contraindicações e cuidados que devem ser tomados:

  • Se a pessoa possui alergia grave a composição da vacina, deve ficar sob observação pelos próximos 30 minutos após a vacina e sempre optar por um ambiente preparado para o caso de reações anafiláticas;
  • pessoas devem passar por uma avaliação médica criteriosa dentro de 6 semanas após a dose do imunizante caso haja histórico de síndrome de Guillain-Barré;
  • Buscar orientação médica em caso de imunodepressão, seja natural ou medicamentosa;
  • Se a pessoa apresentar febre, adiar a vacinação até a sua melhora.

Caso a pessoa imunizada tenha febre alta, nariz entupido, dores no corpo ou quaisquer outras reações adversas que persistam por mais de 72 horas, é aconselhável entrar em contato com o local que realizou a aplicação da vacina ou buscar orientação médica. Há chances elevada de se tratar de uma doença não relacionada com a vacina.

Me vacinei contra a Covid-19 e agora?

Quem recebeu imunizante contra a Covid-19 deve esperar ao menos 14 dias para tomar a vacina contra a gripe. Já quem está com Covid-19 ou testou positivo recentemente deverá aguardar o intervalo de 30 dias após o início dos sintomas e, no dia da aplicação da vacina da gripe, deve estar sem sintomas.

Estudos têm apontado chance mínima de reação entre as duas vacinas. Uma pesquisa realizada em São Paulo mostrou que apenas 0,001% dos idosos tiveram reação adversa notificada após aplicação de vacinas previstas para a faixa etária na caderneta de vacinação, como a da gripe. Em um universo de 15 milhões de pessoas imunizadas, foram registradas 207 reações, sendo 89% delas leves, como dor ou vermelhidão no local da aplicação. O estudo foi realizado por pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e da UCB (Universidade Católica de Brasília) e publicado na revista científica Cadernos de Saúde Pública, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Terceira fase

A terceira fase, entre 9 de junho e 9 de julho, abrangerá cerca de 22 milhões de pessoas. Compõem esse público-alvo integrantes das Forças Armadas, de segurança e de salvamento; pessoas com comorbidades, condições clínicas especiais ou com deficiência permanente; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário; trabalhadores portuários; funcionários do sistema de privação de liberdade; população privada de liberdade; e adolescentes em medidas socioeducativas.

A campanha teve início no dia 12 de abril com a vacinação de crianças entre seis meses e seis anos, povos indígenas, trabalhadores da área da saúde, gestantes e mulheres puérperas (que estão no período de até 45 dias após o parto).  Pessoas que tomaram a primeira ou a segunda dose da vacina contra a covid-19 devem esperar pelo menos 14 dias para tomar o imunizante contra a gripe.

De acordo com o vacinômetro da campanha, já foram aplicadas 6,9 milhões das 27,3 milhões de doses distribuídas a todos os estados.


Compartilhe: