Pesquisa da Furg registra aumento da taxa de contaminação de Covid-19 no RS

O estudo monitora a velocidade de contaminação em 11 municípios do estado desde 15 de fevereiro deste ano.

Compartilhe:

Um estudo indica a aceleração da contaminação de Covid-19 no Rio Grande do Sul, registrada nas duas últimas semanas.

O trabalho é desenvolvido por pesquisadores do Projeto Exactum, do Instituto de Matemática, Estatística e Física (Imef) da Universidade Federal do Rio Grande (Furg).

A pesquisa monitora a velocidade de contaminação em 11 municípios do estado desde 15 de fevereiro deste ano. A pesquisa abrange geograficamente todo o Estado, com o monitoramento de Bagé, Caxias do Sul, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Rio Grande, Santa Maria, Santa Rosa, Santana do Livramento, São Borja e Uruguaiana.

Segundo os pesquisadores, é provável que haja uma correlação entre as medidas de flexibilização social e o crescimento da contaminação. Eles ainda apelam por medidas mais rigorosas, como o distanciamento social, uso obrigatório de máscaras e frequente higienização das mãos.

A pesquisa é baseada no Índice de Reprodução Basal, que é o parâmetro fundamental de qualquer sistema dinâmico epidemiológico. Comumente descrito como R, esse índice fornece um indicativo sobre a aceleração da contaminação, projetando o número médio de contágios causado por uma pessoa infectada.

Se o número for 1, por exemplo, significa que cada pessoa infectada contamina pelo menos mais uma. O ideal é que ele seja inferior a 1, provocando assim desaceleração no crescimento do número de casos.

Até duas semanas atrás, após um período de diminuição, o índice tendia à estabilização em aproximadamente 0,92 na média das 11 cidades monitoradas. No estudo, a média ponderada das cidades permite a estimativa, por aproximação, do índice no estado.

Porém, nas duas últimas semanas o índice voltou a crescer, se aproximando do índice crítico de 1. Além de alertar sobre a provável correlação do crescimento da contaminação com as medidas de flexibilização social, os pesquisadores tratam como preocupante o cenário atual do Estado, devido aos registros de aceleração da contaminação em outro estados, com o agravante da presença de novas variantes do vírus, incluindo a surgida originalmente na Índia.

Simcovid

Um simulador para análise e previsão da evolução da pandemia de Covid-19 foi desenvolvido por pesquisadores do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e da Furg.

De forma gratuita, os usuários podem realizar simulações específicas de cidades e regiões, a partir de parâmetros inseridos na interface gráfica do software, como número de habitantes, de casos confirmados, de recuperados e de óbitos. Os resultados são apresentados na forma de dados e gráficos.


Compartilhe: