Covid-19 pode ser mais agressiva em reinfecção, adverte estudo da Fiocruz

Pessoas que tiveram contaminação anterior podem não desenvolver imunidade contra o novo coronavírus.

Compartilhe:

Um estudo em fase preliminar mostra evidências de que a Covid-19 pode se manifestar de forma mais agressiva em casos de reinfecção.

O trabalho foi foi pré-publicado, ou seja, ainda não revisado por pares, de pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e Idor (Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa).

As pessoas assintomáticas e as que apresentaram sintomas leves ou moderados de Covid-19 correm risco de reinfecção pela doença, mesmo que não tenham sido contaminadas por uma das variantes de preocupação, como a amazônica P1, além das cepas de Reino Unido e África do Sul.

Nestes casos, a pesquisa aponta que o segundo contágio provoca uma resposta corporal inflamatória mais intensa e com sintomas mais fortes. Os pesquisadores usaram os casos de reinfecção registrados no Rio de Janeiro para realizar o estudo.

A pesquisa reforça ainda mais a necessidade de manutenção das medidas de contenção do novo coronavírus, como isolamento social, redução de circulação de pessoas, uso de máscaras e higienização.


Compartilhe: