Coleção farroupilha de quase mil peças chega ao museu de Piratini

Coleção de livros e objetos históricos como espadas, balas de canhão, documentos, moedas e itens comemorativos do período da Revolução Farroupilha.

Compartilhe:

Um conjunto de quase mil peças, que resgata fragmentos históricos da Revolução Farroupilha (1835-1845), viajou nesta segunda-feira (19) até o município de Piratini, onde fica o Museu Histórico Farroupilha.

Reunido por Volnir Júnior dos Santos, conhecido TcheVoni, gaúcho residente em Natal, capital do Rio Grande do Norte, o acervo é fruto de mais de 20 anos de colecionismo e do amor de seu criador pela história do Rio Grande do Sul.

O resultado é uma rica coleção de livros e objetos históricos como espadas, balas de canhão, documentos, moedas e itens comemorativos do período Farroupilha. Em 2019, Volnir procurou o Museu Histórico Farroupilha para manifestar o desejo de doar as peças à instituição.

Em outubro daquele ano, a secretária da Cultura, Beatriz Araujo, e a diretora do museu, Francieli Domingues, viajaram a Natal para tornar esse desejo uma realidade.

A coleção foi acondicionada em 30 caixas, que foram transportadas com acompanhamento de uma escolta da Brigada Militar.

Operação 

O acervo estava em posse da Sedac (Secretaria da Cultura) desde dezembro de 2019, quando foi transportado de Natal para o Rio Grande do Sul.

A operação contou com a intermediação do atual secretário de Turismo, Ronaldo Santini, à época exercendo mandato de deputado federal. Foi ele que viabilizou o transporte aéreo e terrestre com a FAB (Força Aérea Brasileira) e o Exército Brasileiro.

Em Porto Alegre, as peças foram recebidas por técnicos do Departamento de Memória e Patrimônio da Sedac, que trabalharam na catalogação.

“Abrimos todas as caixas, verificamos o conteúdo, numeramos e criamos fichas de cadastro com fotos para cada uma das peças. Depois, fizemos o devido acondicionamento para o novo transporte”, explica o assessor especial de Memória e Patrimônio da Secretaria da Cultura, Eduardo Hahn.

A secretária da Cultura classifica como fantástica a experiência de lidar com um acervo tão rico.

“Foi ótimo ter acesso a todas essas peças que foram parte da nossa história. Temos certeza que o acervo está no lugar certo, e o Museu Farroupilha vai poder contar, com detalhes e profundidade, a história da Revolução Farroupilha”, analisa Beatriz.

“A chegada da coleção permitirá que a direção e a equipe técnica aprofundem a pesquisa histórica das peças, bem como a construção da nova exposição, que está prevista para inaugurar em setembro”, anuncia a Francieli.

A diretora do Museu Histórico Farroupilha também comenta sobre a importância de contar com a coleção no museu.

“A grandeza histórica e cultural deste acervo e o gesto de TcheVoni compõem um novo capítulo da história gaúcha. É parte da República Rio-grandense voltando para a capital Piratini. O nosso sentimento de emoção e gratidão é incontestável”.


Compartilhe: