MST celebra 18ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz Agroecológico

MST celebra 18ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz Agroecológico

Compartilhe:

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza nesta terça (30) um ato virtual em comemoração a 18ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz Agroecológico. O evento é logo mais, às 14 horas, nas redes sociais oficiais do MST com a participação de integrantes do movimento e convidados.

A colheita 2019/2020 foi de mais de 12,4 mil toneladas de arroz. Atualmente o MST é o maior produtor de arroz orgânico da América Latina, segundo o Irga (Instituto Rio Grandense do Arroz).

Em todo o estado a produção do alimento é feita por 389 famílias, em 12 assentamentos, que se dividem em 11 municípios gaúchos das regiões Metropolitana, Sul, Centro Sul e Fronteira Oeste.

As cooperativas do Movimento que fazem parte da produção são: a Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre (Cootap), Cooperativa de Produção dos Assentados de Tapes (Coopat), Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (Coopan), e mais cinco empresas sociais de assentados, Cooperativa de Produção Agropecuária dos Assentados de Charqueadas (Copac), a Cooperativa dos Produtores Orgânicos de Reforma Agrária de Viamão (Coperav), mais as cooperativas Sete de Julho (Coopal), Terra Livre e a Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul (Coceargs). Juntas cultivam principalmente o arroz orgânico nas variedades agulhinha e cateto.

De acordo com Marildo Mulinari, da Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região Porto Alegre (COOTAP), a expectativa dos camponeses para a safra 2020/2021 é colher mais de 12,4 mil toneladas, cerca de 248 mil sacas de 50 kg do produto, em aproximadamente 2.740 mil hectares.

Segundo os integrantes do movimento, a agricultura familiar, atrelada à Reforma Agrária Popular, reafirma seu papel no combate à fome e à desigualdade. O MST, desde o início da pandemia, trabalha com a campanha de solidariedade que é baseada no compartilhamento das produções dos assentados e acampados de todo o país. Em 2020, os Sem Terra doaram 4 mil toneladas de alimentos e 700 mil marmitas.

Somente no Rio Grande do Sul, foram doados pelos assentados mais de 300 toneladas de alimentos da Reforma Agrária. “A solidariedade é um pilar fundamental, um princípio dos movimentos populares. O que o MST faz hoje é devolver para a sociedade a solidariedade que recebemos desde a origem do nosso movimento. E essa solidariedade nesse momento tão difícil, em que a pandemia é de um vírus, mas é também uma pandemia de fome”, disse Salete.

 


Compartilhe: