Com piora em todos os índices, governo do RS confirma bandeira preta em todas as regiões

Divulgados nesta sexta-feira (12), os indicadores da 45ª rodada comprovam a pressão sobre a capacidade de atendimento hospitalar do Estado.

Compartilhe:

Pela terceira semana consecutiva, todo o Rio Grande do Sul está em bandeira preta, conforme já havia sido antecipado pelo governador Eduardo Leite.

Divulgados nesta sexta-feira (12), os indicadores da 45ª rodada comprovam a pressão sobre a capacidade de atendimento hospitalar do Estado.

Mesmo considerando o aumento de 3% no número total de leitos de UTI existentes e a redução dos internados por outras causas, a elevação dos confirmados com Covid-19 em UTI fez com que se mantivesse quase a totalidade dos leitos de UTI do Estado ocupados, inclusive fora dos leitos regulares, o que indica operação acima da capacidade indicada em algumas regiões.

Por conta desse índice, foi mais uma vez acionada a salvaguarda que aplica automaticamente a bandeira de nível máximo a todas as regiões. Nesta rodada, novamente teriam ficado em bandeira vermelha (nota abaixo de 2,50) as regiões de Bagé (2,41) e Pelotas (2,31), por conta da variação de leitos de UTI, visto as correções de residência dos pacientes hospitalizados nos leitos intensivos.

“No entanto, a regra tem o objetivo de evitar colapso da regulação de leitos estadual e garantir que haja possibilidade de transferência de pacientes”, ressaltou o governo.

Na 43ª rodada (divulgada em 26/2), o Estado tinha 229 leitos livres para atender covid. Na semana passada (44ª rodada, dia 5/3), esse número passou a ser negativo, com déficit de 25 leitos. Agora, apresenta falta de 213 leitos de UTI.

“Para se ter uma ideia, há 30 dias, tínhamos 800 pessoas em leitos de UTI confirmadas com covid. Passamos para 2,4 mil pessoas em 30 dias. Se esse ritmo continuasse, teríamos de triplicar o número de leitos, o que é inviável. Esse é o tamanho do nosso drama”, afirmou o governador Eduardo Leite.

DESTAQUES DA 45ª RODADA

• número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 aumentou 19% entre as duas últimas semanas (de 2.818 para 3.367);
• número de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) aumentou expressivamente em 15% no Estado entre as duas últimas quintas-feiras (de 2.220 para 2.563);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS aumentou expressivamente em 27% entre as duas últimas quintas-feiras (de 4.204 para 5.352);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS aumentou expressivamente em 19% entre as duas últimas quintas-feiras (de 2.015 para 2.392);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 no RS é zero. No agregado do Estado o déficit de leitos aumentou de 25 para 213 entre as duas últimas quintas-feiras;
• número de casos ativos aumentou 41% entre as últimas semanas consideradas (de 37.456 para 52.884);
• número de registros de óbito por Covid-19 aumentou expressivamente em 54% entre as duas últimas quintas-feiras (de 872 para 1.343).

Comparativo: situação entre 11/2/2021 e 11/3/2021

• número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 aumentou 296% entre as duas últimas semanas (de 851 para 3.367);
• número de internados em UTI por SRAG aumentou 119% no Estado no período (1.171 para 2.563);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS aumentou 229% no período (de 1.627 para 5.352);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS aumentou 143% no período (de 985 para 2.392);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 no RS reduziu 145% no período (de 476 para um déficit agregado no Estado de 213 leitos de UTI);
• número de casos ativos aumentou 188% no período (de 18.381 para 52.884);
• número de óbitos por Covid-19 acumulados em sete dias aumentou 268% no período (de 365 para 1.343).


Compartilhe: