Bandeira preta seguirá vigente em todas as regiões gaúchas até 21 de março

O anúncio foi realizado pelo governador do Estado, Eduardo Leite, que apresentou os dados alarmantes da Covid-19 no RS. “É muito crítica a velocidade do avanço do vírus”, destacou.

Compartilhe:

O Rio Grande do Sul ficará em bandeira preta, a medida estadual mais restritiva à circulação de pessoas, até o dia 21 de março. O anúncio foi realizado pelo governador do Estado, Eduardo Leite, que apresentou os dados alarmantes da Covid-19 no RS. “É muito crítica a velocidade do avanço do vírus. Muito maior que nós observamos em outras ondas passadas”, afirmou Leite.

“Enquanto nós observamos 2.600 pacientes internados em leitos clínicos e de UTI, agora são mais de 7.200 pessoas que estão internadas em leitos clínicos ou de UTI. Nós estamos com mais que o dobro de internados do que nos picos anteriores”, apresentou o governador. “Foge ao normal da própria pandemia. Nós nunca tínhamos visto um crescimento tão agressivo como esse nas internações de leitos clínicos e de UTI”, destacou.

O governador apresentou, primeiramente, uma série de ajustes nos protocolos. As primeiras são que sorveterias passam a ter as mesmas regras que lancherias. Estéticas passam a constar como serviços de higiene pessoal. E Manutenção de residências passa a permitir atividades de chaveiros, encanadores e similares. Já reparação e manutenção de equipamentos passa a ser considerada atividade essencial. Conselhos profissionais podem ter funcionamento interno e atendimento presencial individual, com agendamento.

Academias em áreas comuns de condomínios não podem ser usadas. Também está proibida o banho de água doce ou salgada em locais públicos, assim como a prática de esportes aquáticos. Conforme Leite, foi detectada uma procura pelas praias desde o fim de semana passado. Por isso, não será permitido se banhar ou realizar prática de esportes dentro da água. No entanto, caminhadas, corridas e outras atividades físicas à beira d’água não estão proibidas.

Decreto vai proibir comercialização de produtos não essenciais

Leite afirmou que vai publicar um decreto proibindo a comercialização presencial de produtos não essenciais nos estabelecimentos comerciais. A redação será publicada hoje, em edição do Diário Oficial do Estado. A normativa prevê sanções aos estabelecimentos que estiveram comercializando, presencialmente, produtos essenciais. A medida vale a partir de segunda-feira (8).

Outra medida anunciada pelo governador é a manutenção das medidas máximas de restrição até, pelo menos, dia 21 de março. O Governo prevê que a gestão compartilhada da pandemia com as prefeituras possa ser retomada no dia 22 de março. Leite também destacou que a bandeira vermelha terá regras mais restritivas.

A suspensão de atividades entre 20h da noite e 5h da manhã será mantida até o dia 31 de março.


Compartilhe: