fbpx

Prefeitura de Porto Alegre apresenta proposta de calendário para volta às aulas

Retorno começaria pela Educação Infantil, dia 28, com alimentação, atividades de apoio e adaptação.
Foto: Enrico Salvador/ PMPA

A Prefeitura de Porto Alegre apresentou nesta segunda-feira (14) uma proposta de calendário e de protocolos para a retomada das atividades presenciais de ensino na Capital.

“A ideia é discutir, já a partir desta terça-feira, 15, as sugestões com entidades que representam as instituições de educação básica e ensino superior, públicas, comunitárias e privadas. A minuta foi construída pelo grupo especial formado para debater o tema e o Comitê Técnico de Enfrentamento ao Coronavírus”, diz a nota.

Pela proposta, a Educação Infantil poderá ser aberta a partir de 28 de setembro para alimentação, atividades de apoio e adaptação. Em 5 de outubro, estariam autorizadas a atender as escolas de Educação Infantil, 3º ano do Ensino Médio, Educação Profissional e EJA (Educação de Jovens e Adultos). A partir de 13 de outubro, ficam liberadas as refeições e atividades de apoio em todas as outras escolas.

A data prevista para retorno do Ensino Fundamental 1 e Educação Especial é 19 de outubro, e do Fundamental 2, Especial e 1º e 2º anos do Ensino Médio, 3 de novembro.

“As sugestões de protocolo incluem orientações sobre uso de máscaras, proibição de eventos e suspensão de reuniões presenciais, por exemplo. Também há regramento para o transporte escolar, limpeza e cuidados com os ambientes e normas para detecção precoce de casos e mitigação de transmissão, incluindo a comunicação com o sistema de saúde”, explica a prefeitura.

Alimentação

A Secretaria Municipal de Educação retomará a partir do dia 28 deste mês a oferta de alimentação nas 43 escolas municipais e 207 comunitárias de Educação Infantil.

“Desde março, foram distribuídas às famílias de alunos mais de mil toneladas de alimentos adquiridos com recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar”, afirma a prefeitura.

Segundo a prefeitura, foram mais de 487 toneladas para alunos de Ensino Fundamental, 189 para a Educação Infantil estatal e 344 para as escolas comunitárias.

 

Leia também