fbpx

Proprietário de frigorífico é preso por vender carne estragada em Taquara

O frigorífico já tinha sido investigado e estava com as atividades suspensas.
Estabelecimento, mesmo com as atividades suspensas, continuava a operar clandestinamente. Foto: Divulgação/Policia Civil

A Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira (19) a segunda fase da Operação Caminho da Serra em combate ao crime contra as relações de consumo e abigeato.

O principal alvo da operação era um frigorífico localizado no município de Taquara. “Já investigado na primeira fase da operação e que estaria, novamente, trabalhando de forma clandestina”, ressaltou a Polícia Civil.

A investigação teve início em março de 2019, tendo a primeira fase da operação Caminho da Serra sido deflagra em novembro. Naquela oportunidade foram cumpridos mandados de busca e apreensão em vários frigoríficos investigados por venderem carne em condições impróprias para o consumo humano. “E também pela suposta compra de gado de quadrilhas de abigeato”, disse a Polícia Civil.

Em março deste ano, policiais civis receberam a informação de que um dos frigoríficos investigados estava trabalhando de forma clandestina. Com a informação foi realizada uma ação por parte da vigilância sanitária do município de Taquara e ficou constatado que o estabelecimento, mesmo com as atividades suspensas, continuava a operar clandestinamente.

Em razão dos fatos, no frigorífico clandestino, foram cumpridos mandado de busca e apreensão e a prisão preventiva do proprietário.

Segundo a Polícia Civil, na primeira fase já haviam sido apreendidos, além de carne imprópria para o consumo humano, carimbos falsos. “Prática comum de frigorífico que atuam a margem da legalidade.” Na operação de hoje, foram apreendidos cartuchos de calibre .12.

Como a investigação continua, a polícia ainda não divulgou o nome do preso e do estabelecimento.

Leia também